De longe

O poema que segue é “do Joãozinho”, como eu costumo chamar a este santo. Também costumo dizer que ele é amigo da Terezona, mais conhecida como Santa Tereza D’Ávila, com todo respeito. Admiro demais estes dois poetas e santos. Ou santos e poetas, depende da vontade do freguês. Já estive em Ávila e visitei o […]

Morte

Em A morte e a morte de Quincas Berro d’água, de Jorge Amado, a morte aparece como palavra passe aos desvarios noturnos pela mítica terra bahiana, no afã de eternizar a amizade que une aqueles que arrastam o cadáver de Quincas, em beberagens e pândegas. Um rito de passagem digno do mais visceral desejo de […]

Limbo

Eles estão lá. Desfilam seus estereótipos em palavras que quase nada dizem, mas muito aparentam. Eles estão lá, acreditando na seriedade do que fazem, na qualidade do que produzem, na utilidade do que proclamam. Eles estão lá. Do outro lado, há outros. Outros quase sempre anônimos. Tratados como anônimos: números, estatísticas, doses e avaliações: a […]

Não foi…

Era para ter sido uma palestra. “Era para ter sido”. Gosto do som desta expressão. Poderia ter usado “Era para ser” ou “Teria sido”. Mas não. Gosto da complexidade da expressão inicial. Sonoramente mais contundente… Ops… mais uma rima… Pois é… Era para ter sido uma palestra. Mas não foi. Foi uma posse, um lançamento, […]

Poema insólito

E o mimimi  naquele lugar, aquele em que as pessoas se dizem “de respeito”, continua. Eu fico com vontade de escrever, mas titubeio porque pode ser que não consiga. Há de haver alguém que goste e alguém que não, dizendo, num e noutro caso, que não sei dizer o que digo, que não sei escrever. E a […]