Dúvida

Faz muito tempo, depois de ver o filme As ligações perigosas, com a soberba Glenn Close e o inimitável John Malkovitch (parece que ele é de origem croata!), cismei de comprar o livro para relê-lo. Ainda havia o Cine Acaiaca, em edifício homônimo, em Belo Horizonte. Na esquina do lado, havia a Livraria e Papelaria Tupinambás, se não me falha a memória era esse o seu nome (anda falhando mais…). Cheguei, entrei e perguntei para a balconista se havia o livro lá. O surpreendente é que mal pronunciei a primeira sílaba do nome do autor francês, (Chordelos de la Clos) e ela disse “NÃO!!!”. Com ênfase, segura de si mesma, altiva e desafiante, olhando-me com desdém. Isso se deu num período em que não podia ouvria esta palavrinha execrável: “não”. Imagina só ouvi-la de uma balconista de livraria, que sequer se mexeu do lugar, nem piscou! Abriu a boca e soltou o “não”. Fiquei, obviamente furioso, possesso e, quase cuspindo, disse a ela que eu a invejava. Ela se desmontou e, arregalando os olhos, perguntou quase humilde: por quê? Daí foi a minha vez de devolver o desdém! Respondi: porque você sequer se moveu do lugar para dizer que não, o que demonstrra que você tem memória invejável, sabe o título dos livros e os nomes de todos os autores cujas obras são vendidas pela livraria, incluisve o de Chordelos de la Clos, autor francês de séculos atrás, um dos epígonos do famoso roman épistolaire, gênero narrativo muito difundido entre os séculos XVII e XVIII. Ela não teve tempo de sequer processar a pergunta. Dei-lhe as costas e fui-me embora. Ai Deus… como eu era estressado… Penso que dois anos aos pés dos Balcãs, depois de certa iniciação, nos trópicos mesmo, fizeram com que eu revisse certas atitudes e começasse a acreditar que a saúde é mais importante.

image

Bem, o “causu” não era minha motivação. O que ocorre é que a lembrança desse episódio fez com que eu pensasse no sentido e no destino de certas coisas. Daí a dúvida: quando a gente digita um texto e erra, a gente pode facilmente corrigir… Santa invenção, o tal de computador. Quando o texto não é mais necessário, a gente o apaga, ou, no jargão do “informatês”, “deleta” (sabia que vem do latim deleatur?). Daí o tal de arquivo vai para a lixeira do computador. Pois bem. Quando a gente faz a limpeza do disco rígido e apaga os arquivos que estão na lixeira, para onde é que eles vão?

Ó dúvida cruel…

image

7 respostas para “Dúvida”

  1. Zé, amado!
    Eu que naummmmm queria ser essa pobre balconista!!! O filme…ah esse filme, xáprálá. Que bom saber que tb tem dúvidas de um BIOS rsrs.
    Beijuuss n.c.

    P.S. Adivinha quem vou conhecer ao vivo e a cores nessa sexta??? Tô quiném mininu quando vai pró parque de diversões rsrs

  2. Pois olhe que não foi só a pobr coitada da balconista que sofreu meus achaques de estresse e mau humor. Mas graças ao cloridrato de sertralina (durante dois anos) e depois à conscientização (até hoje e sempre!), não há mais vítimas!
    Estou rosamariamortinha de inveja de vocês duas…
    Ai que saudade…
    Ai que vontade…
    beijinho
    😉
    PS: você já me explicou, mas eu esqueci, o que significa B.I.O.S?

  3. ZéLu, mio cuore, a livraria mudou de nome: chama-se – pasme! – Good Book (pobre língua portuguesa!…) E as atendentes já estão mais , digamos, treinadas para atender, mesmo sem entender. Têm a boa vontade de procurar, pedem para a gente escrever os nomes. Como você pode ver, tudo melhora um pouco: as atendentes e nossas neuroses (kkkk). Quanto à lixeira, nunca pensei nisso. Pois é, para onde vai??? Mistério sherloquiano… Se descobrir me conte. Muchos besos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: