Se a moda pega…

Na “onda” do “seleciona, copia e cola”… Como não tenho encontrado estímulo e vontade de escrever alguma coisa mais criativa – de que adianta???!!! – tudo o que leito na “rede” e me faz pensar, rir, ficar espantado, irritado ou…, seleciono, copio e colo aqui. Nos dias que correm, qualquer bobagem serve de motivo para um jornalismo tacanho – que anda decrescendo, em vez de melhorar – graças à pasteurização “global” – atentem para a duplicidade de sentido aqui, por favor!. Pois é… Some-se a isto a minha chatice, que anda mostrando ganas de se tornar proverbial… Tudo junto dá no pasmo que me causa acompanhar a querela sobre o que andam chamando de “livro didático”.  Vou cometer uma blasfêmia: não li e não gostei. Como é que alguém, em uso de suas faculdades mentais – a autora tem alguma? – tem a cara de pau de vir a público defender um monte de barbaridades, de asneiras, de tonterías – Evoé España! – como as que escorreram da bocarra de tamanha anta? O pior é encontrar eco em outras antas que andam ruminando sua burrice por aí. “DR” na frente ou “PHD” atrás – do nome! – não é certificado de inteligência, competência, brilhantismo, originalidade e/ou sabedoria. Não é certificação ISO 9000. Chega! Li o que segue abaixo e quase engasguei de rir – de nervoso… Realmente, inteligente é o homem que sabe rir de si mesmo! Quem foi que disse pela primeira vez???

Livros pra inguinorantes

Carlos Eduardo Novaes

Jornal do Brasil


Confeço qui to morrendo de enveja da fessora Heloisa Ramos que escrevinhou um livro cheio de erros de Português e vendeu 485 mil ezemplares para o Minestério da Edu cassão. Eu dou um duro danado para não tropesssar na Gramática e nunca tive nenhum dos meus 42 livros comprados pelo Pograma Naçional do Livro Didáctico. Vai ver que é por isso: escrevo para quem sabe Portugues! A fessora se ex-plica dizendo que previlegiou a linguagem horal sobre a escrevida. Só qui no meu modexto entender a linguajem horal é para sair pela boca e não para ser botada no papel. A palavra impreça deve obedecer o que manda a Gramática. Ou então a nossa língua vai virar um vale-tudo sem normas nem regras e agente nem precisamos ir a escola para aprender Português. A fessora dice também que escreveu desse jeito para subestituir a nossão de “certo e errado” pela de “adequado e inadequado”. Vai ver que quis livrar a cara do Lula que agora vive dando palestas e fala muita coisa inadequada. Só que a Gramatica eziste para encinar agente como falar e escrever corretamente no idioma portugues. A Gramática é uma espéce de Constituissão do edioma pátrio e para ela não existe essa coisa de adequado e inadequado. Ou você segue direitinho a Constituição ou você está fora da lei – como se diz? – magna. Diante do pobrema um acessor do Minestério declarou que “o ministro Fernando Adade não faz análise dos livros didáticos”. E quem pediu a ele pra fazer? Ele é um homem muito ocupado, mas deve ter alguém que fassa por ele e esse alguém com certesa só conhece a linguajem horal. O asceçor afirmou ainda que o Minestério não é dono da Verdade e o ministro seria um tirano se disseçe o que está certo e o que está errado. Que arjumento absurdo! Ele não tem que dizer nada. Tem é que ficar caladinho por causa que quem dis o que está certo é a Gramática. Até segunda ordem a Gramática é que é a dona da verdade e o Minestério que é da Educassão deve ser o primeiro a respeitar. Texto baseadu na resssente aquisiçaum de livrus didráticos pelo Ministér da Edu cassão, que contén erros groçeiros de português, tipo “Amanhã nóis vai passear …” e a tau fessora disse q é assin mermo q o nossu povim se expreça!

Viver

Para quem não lê jornais diariamente como eu…

Cérebro humano
Por Airton Luiz Mendonça
(Artigo do jornal O Estado de São Paulo)


O cérebro humano mede o tempo por meio da observação dos movimentos. Se alguém colocar você dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília, em portas ou janelas, sem relógio… você começará a perder a noção do tempo. Por alguns dias, sua mente detectará a passagem do tempo sentindo as reações internas do seu corpo, incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono, fome, sede e pressão sanguínea. Isso acontece porque
nossa noção de passagem do tempo deriva do movimento dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol.

Compreendido este ponto, há outra coisa que você tem que considerar: nosso cérebro é extremamente otimizado. Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho. Um adulto médio tem entre 40 e 60 mil pensamentos por dia. Qualquer um de nós ficaria louco se o cérebro tivesse que processar conscientemente tal quantidade. Por isso, a maior parte destes pensamentos é automatizada e não aparece no índice de eventos do dia e portanto, quando você vive uma experiência pela primeira vez, ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo. É quando você se sente mais vivo. Conforme a mesma experiência vai se repetindo, ele vai simplesmente colocando suas reações no modo automático e ‘apagando’ as experiências duplicadas.


Se você entendeu estes dois pontos, já vai compreender porque parece que o tempo acelera, quando ficamos mais velhos e porque os Natais chegam cada vez mais rapidamente. Quando começamos a dirigir automóveis, tudo parece muito complicado, nossa atenção parece ser requisitada ao máximo. Então, um dia dirigimos trocando de marcha, olhando os semáforos, lendo os sinais ou até falando ao celular ao mesmo tempo. Como acontece? Simples: o cérebro já sabe o que está escrito nas placas (você não lê com os olhos, mas com a imagem anterior, na mente). O cérebro já sabe qual marcha trocar (ele simplesmente pega suas experiências passadas e usa , no lugar de repetir realmente a experiência). Em outras palavras, você não vivenciou aquela experiência, pelo menos para a mente.

Aqueles críticos segundos de troca de marcha, leitura de placa… São apagados de sua noção de passagem do tempo… Quando você começa a repetir algo exatamente igual, a mente apaga a experiência repetida. Conforme envelhecemos, as coisas começam a se repetir: as mesmas ruas, pessoas, problemas, desafios, programas de televisão, reclamações… enfim… as experiências novas (aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade, fazendo com que seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades), vão diminuindo. Até que tanta coisa se repete que fica difícil dizer o que tivemos de novidade na semana, no ano ou, para algumas pessoas, na década. Em outras palavras, o que faz o tempo parecer que acelera é a… ROTINA.

A rotina é essencial para a vida e otimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, seu diário acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos. Felizmente há um antídoto para a aceleração do tempo:

M & M (Mude e Marque);
Mude, fazendo algo diferente e marque; fazendo um ritual, uma festa ou registros com fotos.
Mude de paisagem, tire férias com a família (sugiro que você tire férias sempre e, preferencialmente, para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte) e marque com fotos, cartões postais e cartas.

Tenha filhos (eles destroem a rotina) e sempre faça festas de aniversário para eles, e para você (marcando o evento e diferenciando o dia). Use e abuse dos rituais para tornar momentos especiais diferentes de momentos usuais.

Faça festas de noivado, casamento, 15 anos, bodas disso ou daquilo, bota-foras, participe do aniversário de formatura de sua turma, visite parentes distantes, entre na universidade com 60 anos, troque a cor do cabelo, deixe a barba, tire a barba, compre enfeites diferentes no Natal, vá a shows, cozinhe uma receita nova, tirada de um livro novo. Escolha roupas diferentes, não pinte a casa da mesma cor, faça diferente. Beije diferente sua paixão e viva com ela momentos diferentes. Vá a mercados diferentes, leia livros diferentes, busque experiências diferentes. Seja diferente. Se você tiver dinheiro, especialmente se já estiver aposentado, vá com seu marido, esposa ou amigos para outras cidades ou países, veja outras culturas, visite museus estranhos, deguste pratos esquisitos… em outras palavras… V-I-V-A. !!! Porque se você viver intensamente as diferenças, o tempo vai parecer mais longo. E se tiver a sorte de estar casado(a) com alguém disposto(a) a viver e buscar coisas diferentes, seu livro será muito mais longo, muito mais interessante e muito mais v-i-v-o do que a maioria dos livros da vida que existem por aí. Cerque-se de amigos. Amigos com gostos diferentes, indos de lugares diferentes, com religiões diferentes e que gostam de comidas diferentes. Enfim, acho que você já entendeu o recado, não é?

Boa sorte em suas experiências para expandir seu tempo, com qualidade, emoção, rituais e vida..

E S CR E VA em tAmaNhos diFeRenTes e em CorES di f E rEn tEs! CRIE, RECORTE, PINTE, RASGUE, MOLHE, DOBRE, PICOTE, INVENTE, REINVENTE… VIVA!!!!!!!!

Para aprender em dia de domingo…

Tudo que vicia começa com “C”

Ricardo Mallet

Os vícios vêm como passageiros, visitam-nos como hóspedes e ficam como amos.(Confúcio)

clip_image001

Há momentos na vida de um ser humano em que ele se vê sem nada realmente interessante pra fazer. Assim, sem companhia, computador ou iPod e com celular fora de serviço, numa viagem de ônibus para Cruz Alta, fui obrigado a me divertir com os meus próprios pensamentos. Por alguma razão que ainda desconheço, minha mente foi tomada por uma ideia um tanto sinistra: vícios.

Refleti sobre todos os vícios que corrompem a humanidade. Pensei, pensei e, de repente, um insight: tudo que vicia começa com a letra C! De drogas leves a pesadas, bebidas, comidas ou diversões, percebi que todo vício curiosamente iniciava com cê.

Inicialmente, lembrei do cigarro que causa mais dependência que muita droga pesada. Cigarro vicia e começa com a letra c. Depois, lembrei das drogas pesadas: cocaína, crack e maconha. Vale lembrar que maconha é apenas o apelido da cannabis sativa que também começa com cê.

Entre as bebidas super populares há a cachaça, a cerveja e o café. Os gaúchos até abrem mão do vício matinal do café mas não deixam de tomar seu chimarrão que também – adivinha – começa com a letra c.

Refletindo sobre este padrão, cheguei à resposta da questão que por anos atormentou minha vida: por que a Coca-Cola vicia e a Pepsi não? Tendo fórmulas e sabores praticamente idênticos, deveria haver alguma explicação para este fenômeno. Naquele dia, meu insight finalmente revelara a resposta. É que a Coca tem dois cês no nome enquanto a Pepsi não tem nenhum. Impressionante, hein?

E o chocolate? Este dispensa comentários. Vícios alimentares conhecemos aos montes, principalmente daqueles alimentos carregados com sal e açúcar. Sal é cloreto de sódio. E o açúcar que vicia é aquele extraído da cana.

Algumas músicas também causam dependência. Recentemente, testemunhei a popularização de uma droga musical chamada “créeeeeeu”. Ficou todo o mundo viciadinho, principalmente quando o ritmo atingia a velocidade… cinco.

Nesta altura, você pode estar pensando: sexo vicia e não começa com a letra C. Pois você está redondamente enganado. Sexo não tem esta qualidade porque denota simplesmente a conformação orgânica que permite distinguir o homem da mulher. O que vicia é o “ato sexual”, e este é denominado coito.

Pois é. Coincidências ou não, tudo que vicia começa com cê. Mas atenção: nem tudo que começa com cê vicia. Se fosse assim, estaríamos salvos pois a humanidade seria viciada em Cultura.

Sagacidade

Humor inteligente é uma das boas coisas da vida. Recebi mensagem eletrônica com os “ditos” abaixo como sendo de autoria do Oscar Niemeyer. Não sei se a autenticidade da autoria se verifica. Pelo sim, pelo não, partilho. Nada como ler coisas inteligentes, com humor refinado, referências elegantemente irônicas e senso de realidade impecável. Seria perfeito se realmente o arquiteto fosse o autor…

PÉROLAS DE OSCAR NIEMEYER (102 ANOS)

– Ganhei um convite para ver o filme da Bruna Surfistinha. Espero que seja MESMO um filme sobre surf. O filme da Bruna Surfistinha é uma apologia ao baixo meretrício e aos mais baixos instintos humanos. Mas pelo menos “rolou” uns peitinhos.

– Meu médico me proibiu de tomar vinho todos os dias. Sorte que ele não falou nada sobre Smirnoff Ice.

– Fui convidado para ver o pessoal do Comédia em Pé. Só não vou porque minha artrite não me deixa ficar em pé muito tempo.

– Esse humor do Zorra Total já era antigo quando eu era criança.

– Sem sono e a fim de sair pro agito. Quem embarca?

– Existem apenas dois segredos para manter a lucidez na minha idade: o primeiro é manter a memória em dia. O segundo eu não me lembro.

– Ivete Sangalo me encomendou o primeiro trio elétrico de concreto armado do mundo. O pessoal aqui no escritório já apelidou de “Sangalão”. A proposta era fazer o “Sangalão” de madeira para ficar mais leve. Aí eu disse pra Ivete: “Quer de madeira? chama um MARCENEIRO!”.

– Projetar Brasília para os políticos que vocês colocaram lá foi como criar um lindo vaso de flores pra vocês usarem como PENICO.

– Caro Sarney: ser imortal na Academia Brasileira de Letras é mole. Quero ver é tentar ser aqui fora!

– Nunca penso na morte, NUNCA. Vou deixar para pensar nisso quando tiver mais idade.

– Perto de mim, Justin Bieber ainda é um espermatozoide. (Justin Drew Bieber (Stratford, Ontário, 1º de março de 1994) é um cantor de pop e ator canadense)

– Odeio praias lotadas aos domingos. Não dá pra surfar direito.

– Brasília nunca deveria ter sido projetada em forma de avião. O de camburão seria mais adequado. Na verdade quem projetou Brasília foi Lúcio Costa. Eu fiz uns prédios e avisei que aquela merda não ia dar certo. Sim, ela é aquele avião que não decola NUNCA. Segundo a NASA, Brasília é inconfundível vista do espaço.

– Duro admitir, mas atualmente Marcela Temer é o monumento mais comentado de Brasília.

– Todos ficam falando Zé Alencar é isso, Zé Alencar é aquilo. Mas quem fez pilates e caminhou na praia hoje? EU!

– O frevo foi criado há 104 anos. Ou seja: só tive um ano de sossego desse pessoal pulando de guarda-chuvinha.

– Segredo da Longevidade: Não viva cada dia como se fosse o último. Viva como se fosse o primeiro.

– Na minha idade, a melhor coisa de acordar de madrugada para ir ao banheiro é ter acordado.

– Alguns homens melhoram depois dos 40. E eu mesmo só comecei a me sentir mais gato depois dos 90.

– Queria muito encontrar um emprego vitalício. Só pra garantir o futuro, sabe? Andei comprando apostilas para Concurso do Banco do Brasil. Não quero viver de arquitetura o resto da vida.

– Foi-se o John Herbert, 81 anos. Essa molecada da área artística se acaba rápido demais.

– Só me arrependo de UMA coisa na vida: de não ter cuidado melhor da minha saúde para poder viver mais.

– São Paulo mostrou ao Brasil como se urbanizar com inteligência: basta fazer o exato contrário do que aconteceu lá.

– Fato: o meu edifício Copan aparece em 50% dos cartões postais de São Paulo. DE NADA.

– A quem interessar possa: eu NÃO estive presente na fundação de São Paulo há 457 anos. Na verdade eu não fui nem convidado.

Nada a dizer…

O PROFESSOR ESTÁ SEMPRE ERRADO (autoria atribuída a Jô Soares)

O material escolar mais barato que existe na praça é o PROFESSOR!

É jovem, não tem experiência. É velho, está superado.

Não tem automóvel, é um pobre coitado. Tem automóvel, chora de “barriga cheia’.

Fala em voz alta, vive gritando. Fala em tom normal, ninguém escuta.

Não falta ao colégio, é um “caxias”. Precisa faltar, é um “turista”.

Conversa com os outros professores, está “malhando” os alunos. Não conversa, é um desligado.

Dá muita matéria, não tem dó do aluno. Dá pouca matéria, não prepara os alunos.

Brinca com a turma, é metido a engraçado. Não brinca com a turma, é um chato.

Chama a atenção, é um grosso. Não chama a atenção, não sabe se impor.

A prova é longa, não dá tempo. A prova é curta, tira as chances do aluno.

Escreve muito, não explica. Explica muito, o caderno não tem nada.

Fala corretamente, ninguém entende. Fala a “língua” do aluno, não tem vocabulário.

Exige, é rude. Elogia, é debochado.

O aluno é reprovado, é perseguição. O aluno é aprovado, deu “mole”.

É… o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele!

Brincadeira linguística

A língua, apesar de arbitrária – será que é ela mesma e não o sujeito que e utiliza e por ela se consolida? – faz mirabolantes brincadeiras com o cérebro humano. No fundo, ela é sábia. Não sei quem é o(a) autor(a) – ai essa chatice de gênero… – da peripécia, mas sei que gostei (ops… uma rima) e partilho… mais uma!!!

image

O emprego do pronome indefinido…

Era uma vez quatro indivíduos que se chamavam todos, alguém, cada um e ninguém.

Existia um importante trabalho a ser feito, e pediram a todos para fazê-lo. Todos tinham certeza de que alguém o faria. Cada um poderia tê-lo feito, mas na realidade ninguém o fez.  Alguém se zangou, pois era trabalho de todos! Todos pensaram que cada um poderia tê-lo feito e ninguém duvidava de que alguém o faria. No fim das contas, todos fizeram críticas a cada um porque ninguém tinha feito o que alguém  poderia ter feito.

Moral da história:

Sem querer recriminar a todos, seria bom que cada um fizesse aquilo que deve fazer sem alimentar esperança de que alguém vá fazê-lo em seu lugar… A experiência mostra que lá onde se espera alguém, geralmente não se encontra ninguém. Estou repassando a todos a fim de que cada um  possa repassá-lo a alguém sem esquecer de ninguém.

image

Não é que é mesmo?

Não sei quem é o autor (isso já está ficando repetitivo…!). Gostei e partilho… Tomara que o final de semana seja tranquilo! Salve Nossa Senhora de Fátima!

Em muitos idiomas europeus, a palavra NOITE é formada pela letra N + o número 8 na respectiva língua. A letra N é o sí­mbolo matemático de infinito e o 8 deitado também simboliza infinito, ou seja, noite significa, em todas as línguas, a união do infinito!!!


Português: noite = n + oito
Inglês: night = n + eight
Alemão: nacht = n + acht
Espanhol: noche = n + ocho
Francês: nuit = n + huit
Italiano: notte = n + otto

Interessante, não?