Diário de viagem 6 – quinta

 

Finalmente o dia da apresentação. Faz quase trinta anos que experimentei pela primeira vez a ansiedade da chegada do dia de apresentar um trabalho num congresso. A primeira vez jamais foi esquecida: éramos cinco à mesa e duas pessoas assistindo. Uma delas era minha “desorientadora” de doutorado; a outra, um amigo, ou melhor, ex-amigo. Hoje não sei por onde ele anda: “enlouqueceu” – clinicamente falando – e foi aposentado por invalidez… triste ironia.

Pois não ficou muito diferente. Os “notáveis” só se assistem uns aos outros ou, quando muito, por dever de ofício e obrigação de mútuo favor, aos orientandos dos “pares”. Uma confraria… A madame ficou até o fim da “apresentação” de seu ex-aluno. Havia alguma coisa estranha naquele rapaz, muito estranha. Comecei a ler e com dez minutos ela se retirou enfadada. Mais uns e outros fizeram o mesmo trajeto. Minha ex-aluna e sua orientadora, minha colega, ficaram até o fim, mas nem sequer manifestaram o mínimo desejo de dizer alguma coisa. Menos mal. Mesmo tendo saltado cinco parágrafos, gastei mais tempo que o outro, que veio me cumprimentar ao final. Elogiou protocolarmente e se retirou. Agora estou aqui, a pensar na futilidade disso tudo e um tanto ansioso por ter trocado de pasta com um ex-colega do sul. Peguei a dele por acaso…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s