Sem resultado…

Algumas semanas atrás, propus um jogo. O interesse chegou a apenas um participante: uma amiga, a Ângela, o que me deixou muito feliz. Que fique claro que, por conta de minha vaidade e desejo, esperei mais contendores… Não tem importância… fazendo blague com título de filme famoso: E la nave va

Bom. Foram quatro postagens com o mesmo títlo: Jogos. Tratei de postar trechos de romances brasileiros e um conto português. Para quem viu as palavras-chave, ficou claro que eram narrativas “naturalistas”. Muita coisa pode ser dita acerca do Naturalismo, mas isso é assunto para outra ocasião. O que me instigou a propor o jogo de adivinhação é o fato de essas quatro narrativas serem representativas não apenas do Naturalismo, como a “tradição” as considera. De fato, sua leitura me leva a outros horizontes, como quaisquer outros, absoluta e totalmente questionáveis. Engana-se quem acredita que exista uma única resposta, absoluta, uma que vença todas as demais… ledo engano (Adoro essa expressão!)

Em “Jogos 1” deixei trechos de O bom crioulo, de Adolfo Caminha; em “Jogos 2”, foi a vez de O homem, de Aluísio Azevedo. Já em “jogos 3”, o trecho era de A carne, de Júlio Ribeiro e, finalmente, em Jogos 4”, não foi um romance, mas um conto de Fialho de Almeida, escritor português, cujo título é “O funâmbulo de mármore”. Todos naturalistas bien sûr, guardando, cada um deles, suas peculiaridades. Deles, o mais polêmico talvez seja, quase unanimemente, o romance de Adolfo Caminha. O homossexualismo descarado  da narrativa deve ter deixado muito cabelo em pé… Muita gente deve ter jogado o livro fora, muita senhora deve ter exconjurado, muito padre bradado… Um horror… Mas o romance é bom… demais.

O que há de comum é que, para além das temáticas, todas as narrativas são narradas por uma voz masculina. Um detalhe, aparentemente, simples, inócuo. Mas este mesmo detalhe abre uma possibilidade instigante: o olhar homoerótico que lê o enredo. Com exceção do romance de Adolfo Caminha, por óbvio, as demais narrativas ganham colorido mais denso com a operacionalização desse “olhar homoerótico”. No caso de A carne, o narrador apresenta o frenesi de Lenita, depois que começa a ceder aos “a pelos da carne”. Já em O homem, o narrador criado por Aluízio Azevedo vai dissecando o “furor uterino” de Magdá, a protagnista. No conto de Fialho de Almeida, a contesina, protagonista, enlouquece depois que esculpe a estátua do equilibrista, dando vazão a seu desejo recalcado por conta da morte deste. O interessante é que toda esta apresentação de situações femininas é feita por uma voz masculina. Se alguém reler as passagens tendo este pressuposto como instrumento de abordagem, vai entender o que estou dizendo. O calor da descrição, o impacto das “tintas”, o olhar febril e a vibração do desejo de olhar, em detalhes, o corpo masculino, objeto do desejo das protagonistas, deixa escapar o “detalhe”: é um homem quem descreve. Logo é le quem “vê” pelos olhos das protagonistas. Sacou?!

Anúncios

Um comentário sobre “Sem resultado…

  1. Saquei e bem! Sabia que havia outra intenção subjacente ao seu jogo, porque, afinal, você é especialista em homoerotismo e os textos propostos não deixam qualquer dúvida. É interessante pensar em literatura homoerótica já naqueles tempos de hipocrisia e repressão. Corajosos os autores. Apesar de que, acho que não avançamos muito na questão de gênero e orientação sexual: apenas alguma panfletagem, uns rótulos substituindo outros, no entanto um mal-estar indisfarçável da maioria quando o assunto vem à tona.
    Pena não ter podido participar melhor do jogo: não tenho leitura suficiente para reconhecer a pena de tais autores. Porém, gostei muito desta aula de hoje. Aqui se aprende, sempre. Beijinhos, Angela

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s