Atenção

Seria cômico se não fosse trágico. Virou moda (embora já desgastada) falar em “direitos”. A última é a das domésticas. Parece simples, a demagogia garante que todos são iguais perante a lei, mas o descuido pode levar a hecatombes cujos estragos não têm a menor chance de clamar por reparação. Os “legisladores de plantão” – existe mesmo esta categoria na terra brasilis? – deviam ter atentado para TODOS os ângulos da questão, em lugar de vislumbrarem apenas os seus bolsos. O texto abaixo não é de minha autoria, não sei quem escreveu, recebi no corpo de uma mensagem eletrônica e estaria, agora, rindo, caso não vislumbrasse o caos que se anuncia…

“Prezada empregada doméstica,

Quero cumprimentá-la porque, finalmente, a sua classe passou a ter os mesmos direitos do restante dos trabalhadores do nosso país. Agora as suas horas extras serão remuneradas, você terá direito ao FGTS, seguro desemprego, intervalo na jornada de trabalho e mais uma série de benefícios. Parabéns pela conquista! Mas, posso informá-la de que, para mim, pouca coisa mudará. Afinal estou acostumada ao dia a dia do mercado de trabalho e, com certeza, saberei me adaptar rapidamente às novas regras. Apertando um pouco mais o orçamento, conseguirei pagar todos os ônus da nova lei, porém me preocupo com o novo tratamento que terei de dar a você, pois “para todo bônus, o seu ônus”.

Você será reconhecida por mim, financeiramente, mas precisará comprovar-me que está apta a ser tratada como profissional. Adeus às velhas desculpas de que o ônibus atrasou… Agora tenho que registrar sua entrada e sua saída, para computar as horas extras a que você tenha direito… Não me peça para não descontar suas faltas! Inevitavelmente, terei que contribuir para um fundo de garantia por seu tempo de serviço [FGTS] e, por isso, você precisa vir trabalhar. Lembre-se, também, que não aceitarei as desculpas de que você não sabe cozinhar, passar, lavar roupas, pois estas aptidões são necessárias para o seu trabalho. Siga as minhas orientações e cumpra as minhas determinações. Para atender às necessidades do meu lar, tal como acontece nas empresas (veja o comércio), busque a capacitação e prazer com seus direitos ora adquiridos. Não vale mais ser doméstica e estudar datilografia (ah! Isso era antigamente, agora é informática…), ou passar horas mexendo e aprendendo tudo do celular ou ouvindo radinho sem se importar em esmerar-se para atender às necessidades do meu lar, pois isso é o que o seu emprego requer!… Deixe o lazer para o período de descanso…

Você alcançou uma posição privilegiada, é uma profissional com todos os direitos da Consolidação das Leis do Trabalho, igual a qualquer empregado de uma empresa, embora meu lar e a minha família não se enquadrem nessa categoria e não tenham fins lucrativos. Portanto, acostume-se a ser advertida, afinal, tarefas não realizadas contarão também para demissão por justa causa.

Prejuízos ocasionados pela má utilização dos pertences de minha residência [seu local de trabalho], serão tratados como patrimônio, que você terá obrigação de zelar e ressarcir-me, caso venha a danificá-lo. E isso inclui as minhas roupas que você costuma manchar ao lavar e/ou queimar ao passar. Mas não se preocupe, quando eu fizer a reposição do item por outro igual, apresentarei o cupom fiscal a você.

Sentirei no bolso, é verdade, mas a grande privilegiada será você, pois até que enfim alguém pensou em sua classe, no seu crescimento pessoal e profissional, espero que com a aquisição de todos esses benefícios você consiga manter-se no mercado de trabalho , buscando sempre o aprimoramento profissional. Espero, ainda, que esse pouco dinheiro que chegará às suas mãos, uma vez que grande parte dele vai mesmo ficar para o governo, lhe dê condições de sustentar a sua família, pagar os cursos que você precisa fazer e ainda assim ser a amiga e companheira que nos auxilia ao longo de nossas vidas.

Atentando para tudo isso, nossa relação de amizade não sofrerá a menor mudança. Respeito o seu trabalho, preciso de sua ajuda em meu lar e confio no seu potencial. Por isso, espero que essa nova lei seja um marco para nós duas.

Um abraço e muito sucesso para você!

Sua patroa.”

Anúncios

Um comentário sobre “Atenção

  1. Será que elas irão pagar pelo que comerem em nossas casas? Porque qualquer trabalhador paga por sua alimentação. No caso de dormir no emprego, pagará pelo aluguel do ap – quarto e banheiro – onde irá se instalar?
    E a despesa com água e energia elétrica para lavar e passar suas próprias roupas, será cobrada? Ou seja, serão as empregadas domésticas como qualquer trabalhador não apenas nos direitos, mas igualmente nos deveres?
    Perguntas que não querem calar… Aguardo esclarecimentos. Beijinhos. Angel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s