O dicionário e suas veredas

Sobre o que vou escrever hoje? Não sei. Definitivamente, não sei. Se sei, a preguiça apagou qualquer ligação com a memória de um devir que, simultaneamente interessa muito e não faz qualquer falta. Qual não seria a solução desse enigma senão continuar sendo um enigma, ou apenas mais um sofisma? Palavra interessante esta: sofisma. No […]

Revisitações

Tomado que estou da mais absoluta ausência de ânimo para o que quer que seja, resolvi postar algumas linhas escritas numa primeira tentativa de escrever um artigo sobre um poeta português de quem gosto imenso: Al Berto, pseudônimo de Alberto Raposo Pidwell Tavares, nascido em Coimbra a 11/1/48 e falecido em Lisboa a 13/6/97, do […]

Da beleza em Clarice (também!)

“Depois, quando todos foram embora e as crianças já estavam deitadas, ela era uma mulher bruta que olhava pela janela. A cidade estava adormecida e quente. O que o cego desencadeara caberia nos seus dias? Quantos anos levaria até envelhecer de novo? Qualquer movimento seu e pisaria numa das crianças. Mas com uma maldade de […]

Dos males inevitáveis da chatice

A moça atravessa a avenida, sem muito trânsito. Olha com displicência e desdém enquanto atravessa. Anda olhando para o telefone esperto, sem sequer se preocupar se vem alguém na direção contrária. O que “pega” é a displicência desdenhosa do olhar… fora da faixa de pedestres… O rapaz, magrelo e aparentemente subnutrido está usando capacete. O […]

Ecos do passado

Com a proverbial preguiça que me acomete, ainda me ressinto do que senti ontem e não sei definir em palavras. Depois da macacada dos togados, autoridades em Pindorama. Ainda não sei. Apreensão. Dúvida. Não sei de mais nada… Assim, nesta maré de nada, resolvi colocar aqui um texto que escrevi ainda em Santa Maria. Foi […]