Poema de estalo

Enquanto ando, as quarenta voltas em torno de casa,penso num monte de coisas. As mais variadas, numa sequência caótica que obedece, apenas, ao sabor da vontade de acabar logo com essa chatice (dizem que absolutamente saudável) que é caminhar. Hoje, neste percurso diuturno, pensei nesse poema que escrevi, sem revisão…

th (2)

Sou poeta de ocasião, como denegava Drummond

em sua procura.

Sou poema do senso,

da visão e do tato, do sentir

o que não se diz.

Um poeta que não emerge da imersão das palavras

que caem, uma a uma,

de um penhasco imaginário, de onde

verte o desejo de qualquer coisa

que faz a ocasião

do poeta.

 

Ser um poeta, assim, não vale pena (?)

se a queda da palavra não faz

pulverizar o sentido que faz a ação do poeta alçar

voo de coisa densa, matéria que se diz,

à revelia do mesmo poeta.

E a poesia não se faz, assim,

como do poeta a imaginação, criatura de consequência,

de objetivo, de ponto de fuga.

A poesia segue o poeta e lhe indica os caminhos a não seguir

Por aqueles que leem o poema e lhe dão, de lambujem,

algum valor,

se valor existe para/em poesia.

 

Poeta e poema, siameses descosturados

que se tateiam,

almas vãs que se mapeiam,

ainda que na rima deslizante e má.

Na procura vã de se encontrar

no limbo do sentido, mais além,

antes porém de qualquer coisa que passa

pelo dizer.

Num ciclo sem vício, insidioso,

maquiavélico e sutil, nervoso. Rimado no descuido

inaugura, sempre e mais,

pela palavra.

th

 

 

Uma resposta para “Poema de estalo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: