Três leituras

São três os livros sobre os quais quero falar esta semana… Mas antes, uma nota para acalmar minha sanha de chatice… neste final de semana comecei a ler uma matéria no Estado de Minas sobre Literatura. Não dei conta de continuar a leitura até o fim. As fotos eram cópias uma da outra (na expressão e na “atitude” dos fotografados). O lead chamava a atenção para a “juventude” que parece ser conditio sine qua non para consideração de terceiros. Por fim, a matéria falava de pessoas que falam sobre literatura no youtube. De certo, são pessoas que ganham dinheiro com os cliques alheios pois mantêm “canais” e produzem “conteúdo” que, de acordo com a matéria jornalística é fenômeno que chama a atenção de editores. Minha chatice não me deixou ler até o final por conta da superficialidade e da estereotipia das “ideias” ali exaradas… Essa gente tem que andar muito ainda…

hqdefault

Como eu disse, os livros sobre os quais quero falar são três: Carta aos loucos, Carlos Nejar (1998), Astronomia, Mário Cláudio (2015) e Poemas para o coveiro, Fernando Sales (2018). Começo pelo último, por uma série de motivos. Um: o autor foi meu aluno e, se não me engano, chegou a fazer inciativa científica sob a minha orientação (não tenho certeza disso!). Dois: li sobre o livro na página do autor e fui mordido pela mosca da curiosidade – comprei-o. Três: gostei do conteúdo. Quatro: gosto de escrever sobre quem começa, apesar de morrer de medo de não ser compreendido sobre o que digo. Cinco: trata-se de autor iniciante sobre o qual jamais falei, nos termos em que o farei aqui. Seis: ah… deixa pra lá. Bom, pra começo de conversa, devo dizer que não sou obrigado a elogiar nada, a priori, só por ter mantido algum tipo de contato/relação com o ator. Por isso, começo com uma negativa: não gostei nada da diagramação do livro. Desmerece muitos dos poemas, prejudica, em alguns casos, a subliminar proposta estética que se depreende dos textos que ali estão encerrados. Depois de ler o livro, vi uma entrevista que Fernando fez com o coveiro que, pelo que entendi, foi o motivador da composição do volume. Como soe acontecer – e aqui não vai nenhuma intenção pejorativa, pelo contrário… – os poemas são irregulares. Há que considerar que esta afirmativa está respaldada pelos efeitos da “minha” leitura, o que pode, obviamente não coincidir com outras alheias… Os poemas, em alguns casos, carecem de revisão, sobretudo no que diz respeito a um aspecto que muito me incomoda, a rima. A cada dia que passa, ando mais avesso a ela. Não a considero inimiga pública número um do fazer poético, mas para iniciantes, como eu, em alguns casos, ela pode ser abolida como oportunidade que se abre para o desenvolvimento da coreografia vocabular que o poético exige como expressão. Neste caso, a preocupação com a rima pode ser um desserviço (Isto pode ser matéria para outras considerações). Os poemas falam de morte, de vida, de tempo, de melancolia, de medo, de apreensões, de constatações que beiram o niilismo. O reflexo eu se lê, faz jus ao que se ove na entrevista (https://www.facebook.com/terradomandu/videos/652620288449678/UzpfSTEwMDAwMDA1NzAwOTU3MToyMzQ1NDEwMzc1NDcwODQw/) a que me referi. Salvo engano, a última estrofe do poema intitulado “No meu tempo”, diz: No espetáculo da Existência / Ninguém me disse o que fazer / Nesse breve intervalo / Em que as cortinas / Já subiram / E uma hora vão descer. A percepção da passagem do tempo e da impossibilidade de se abarcar todo o seu sentido, é percebida na sequência dos versos desta estrofe. Do terceiro ao quinto versos, a métrica diminuta faz representar o movimento da cortina que desce no palco, em ritmo cadenciado, até que chega ao piso de uma só vez, como na extensão do ultimo verso em sua sonoridade que ecoa o verbo “fazer”, no segundo verso. Outro poema que demora a verve filosófica que alimenta o fazer poético de Fernando é o que se chama “Amor”: Quando o real e o sonho se tocam / Sem que um destrua a realidade do outro”. O que poderia ser uma comparação banal e desgastada pela obviedade, ganha colorido mais instigante por conta da inserção do sintagma “realidade” que materializa a experiência amorosa que não prescinde de uma realidade da qual, com honrosas exceções se quer escapas a experiência amorosa, como no Romantismo – esta, por sua vez, matriz genética que produz os cromossomas poéticos que se podem ler aqui e ali no livro de Fernando. Ouso afirmar, neste breve e superficial comentário, que alguma memória da Literatura Portuguesa – disciplina que definiu meu perfil profissional na universidade em que Fernando se graduou em Letras – é percebida em dois momentos, mais explícitos do livro. Um está no poema sem título que diz: “Sou a reminiscência / da distância, / desando de mim.”. Outro, no poema, igualmente sem título que diz: “Todos os dias tateio no escuro / As paredes do labirinto / Da identidade que não sinto”. O segundo demonstra mais amadurecimento de ideia, mais elaboração personalíssima do poeta, quando, em seus versos, leio ecos do tresandar “existencialista” que se percebe em Sá de Miranda e em Mário de Sá-Carneiro e, para completar, em alguns sonetos de Camões. O primeiro destes dois parece-me mais explícito nesta relação intertextual que mito convém ao espírito multifacetado de elucubrações que os poemas propõem, em seu conjunto. O livro de Fernando é um convite ao pensamento, ao degustar de ideias e de possibilidades de compreensão da existência, do amor e da morte. O futuro a Deus pertence, diz o adagiário. Fernando Salles está imerso neste futuro. Parabéns, Fernando, Obrigado por seus poemas!

Poemas-para-o-coveiro-179x275

Anúncios

Um comentário sobre “Três leituras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s