20

E a mesma sequência em repetição. Uma, duas, tantas incontáveis vezes. A mesma repetição. Ora para um lado, ora para outro. E o sangue de Jaime escorrendo. Abundante. E o chicote rasgando o ar, Mais um, mais dois. O castigo de cem chicotadas pelo testemunho de um crime. Não poderia haver punição para um superior. Jaime viu o crime. O assassino viu que Jaime tinha visto. E as chicotadas como resultado do desleixo do destino. Desleixo. As chicotadas pareciam não bastar. O sangue escorrendo. As costas tonadas de Jaime laceradas. O banho de sangue não diminuía o erotismo implícito. As costas de Jaime. As brancas e tornadas costas de Jaime. Os braços esticados no pelourinho. O sangue escorrendo a avermelhar as cotas de Jaime. Que escultura! Uma obra de arte. João não resistia. Quando mais calado ficava Jaime, e as chicotadas não o faziam gemer, mais excitado João ficava. E o sangue nas costas de Jaime. As costas brancas e tornadas de Jaime. Uma obra de arte. Os olhos de João não piscava. Mesmo a dor lancinante, já nos dois braços, não diminuía o vigor das chicotadas. O sangue. As costas. O silêncio. Os olhos de João brilhavam, num furor erótico que assustava. A quem assustava? A quem não sabia o que se passava? A quem tinha como justo o castigo. A João, que sabia da injustiça. João que se excita com o sangue nas costas de Jaime. O silêncio da multidão no fundo do cárcere. as feridas. O silêncio que não atormentava, mas se sentia como nuvem de chumbo. O crime encoberto. O superior que escapa. O castigo que imobiliza. Jaime não cede. João volta ao ataque. A perseguição, a busca, os avisos. A sede de vingança que fica no ar. O tempo que passa. As relações que se desfazem e refazem e cedem lugar a outras. A marca interna. O trauma de morte não vingada. O pai que morre. E o tempo é incapaz de secar certas feridas e deixar fluir o sangue por dentro. A lembrança do chicote. O silêncio. As perseguições. Os subterfúgios e a ciência do crime não cometido. A sentença. A possibilidade da forca. As fugas forçadas. Voltas e reviravoltas que o destino dá e não escapa do olho do furacão. Uma obra de arte. Não era castigo. O desejo do reencontro e a memória do sangue escorrendo nas costas de Jaime. As brancas costas torneadas de Jaime. O banho de sangue na memória Não era castigo: uma obra de arte. Objeto a ser admirado com olhos de ver. Admiração e desejo. O tempo que passa. Anos depois. Não  mais chicote. Não mais praça pública. Não mais sangue escorrendo. O silêncio do cárcere. as feridas. O mesmo furor erótico nos olhos de João. O corpo de Jaime deitado no chão. A sujeita. as marcas do castigo. O peso do ar fétido a conservar o miasma erótico que chamava, em silêncio, pelo olhar brilhante de desejo. João não resistia. A tortura. O ferro em brasa. A repetição das palavras. Uma convicção a quebrar. O sarcasmo de confessar o crime para o prisioneiro por ele responsabilizado. Um sabor amargo de vitória no olhar rutilante de desejo. Uma obra de arte. Que corpo escultural! É meu. O silêncio de Jaime e do cárcere. O sarcasmo. O ferro em brasa. “Repete comigo: sou seu. Anda, repete: sou seu”. O silêncio pesado do cárcere. O corpo de Jaime a tremer. A honra ferida. A mora vergastada pelo desejo alheio. A lembrança de Clara. O cheiro de mofo, a umidade, a sujeira a alimentar o miasma de desejo. A inocência que se vai perder. A imoralidade. A vergonha. No andar das palavras, a história de um desejo guardado, alimentado. O tremor, nem de prazer, nem de medo. De ódio. O tempo que passa e não apagas as marcas. O fero em brasa. “Sou seu”. A carne queimada. O cheiro da carne queimada a aumentar o desejo. O ferro em brasa. Óleo de amêndoas no cabelo. Não foi um castigo. Uma obra de arte. O corpo coalhado de sangue e, agora, aqui, deitado, sujo. Uma obra de arte. Que corpo, meu Deus. João não resiste. O corpo queimado, A marca de posse. Os cabelos que roçam o corpo escultural de Jaime. João goza. Força, não resiste. Invade, não vacila. Deflora o corpo de Jaime. O escultural corpo com as costas brancas e tornadas. O sangue que desvanece, A cicatriz que fica. O tormento, O grito. O gozo. O horror. O cheiro de amêndoas do óleo que escorre. A memória de Clara. O choro da vergonha. A dor que não existe. A sombra da memória do silêncio no banho de sangue. O corpo devastado. A sujeita e o silêncio do cárcere. O resfolegar de João, insuficiente. O silêncio. As lágrimas misturadas no óleo de amêndoas. O corpo desfalecido jogado ao chão. O prazer conquistado. Jaime. João satisfeito. O desejo realizado numa obra de arte que se repete em meio à sujeira do cárcere. a obra de arte com banho de sangue. O rutilante olhar do desejo. O ruminar da sanha. O temo que passa. A sujeira que acende o fogo da lascívia. As costas brancas e torneadas de Jaime. O corpo de Jaime. O desejo. O fim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: