23

A delicadeza do arranjo de frutas na mesma de café da manhã. Uma imagem inadequada para o percurso que chegou ao ponto que chegou. Cada gomo de mexerica devidamente limpo daqueles fiapos brancos. Cirurgicamente limpos. Sua disposição entremeada com uvas passas criou a ilusão de girassóis visitados por abelhas. Uma pequena cumbuca, não mito funda. e os girassóis feitos de gomos de mexerica e uvas passas. O contraste com o vermelho do queijo do reino. A toalha rebordada, em estamparia rococó. compunha com a guarnição de café, uma delicadeza a mais. No alto daquele prédio do Itaim. Visita há muito esperada, era de se supor. Requinte delicado daquela mesa de café da manhã  e o absoluto contraste com a história que se arrastou até aquele ponto. As ruas de Vila Mariana. A Igreja do Socorro. A lanchonete árabe: quibes fritos, tahine, homus tahine, guaraná gelado. Mais uma rua que se perde na memória das idas e vindas. De cá pra lá. Sempre que possível. As árvores da Vila Mariana. O centro cultural, a avenida larga e movimentada. O sanduíche mais tradicional da cidade. A vista do alto do prédio do Itaim. A conclusão de um percurso. O sofá branco, imponente, apertado na saleta diante do projeto de varanda. Como de hábito em construções daquele naipe. O sofá branco. A travessia do tempo, dos espaço. das histórias. Paulista, Santo Amaro, Vila Mariana, O sofá branco e as noites mal dormidas ou os sonhos abortados. Tantas histórias. Em nada e por nada combinavam com a cumbuquinha enfeitada com gomos de mexerica entremeados com uvas passas. Girassóis dissimulados. Como parecia simulada a aceitação, a trégua. O primeiro sinal. Viva Mariana O sofá branco diante do armário, divisória, do minúsculo apartamento. Cedinho, ainda de manhãzinha, mudar para a cama. O sofá branco livre do peso dos sonhos repetidos. O ciúme. O branco do sofá contra o ciúme doentio. A festa de inauguração. O bar lotado. Holofotes, escadas magirus, dente falando e gritando no frio que fazia todo mundo encapotar-se. A festa. O dissabor da festa abortada pelo ciúme. A cena na frente do prédio. Os gritos. O constrangimento. Não acontecia nada. Não havia nada. A impossibilidade de aceitar a amizade, profunda e afetuosa. Só isso. Bater o pé no chão. Fazer careta. Gritar. Xingar. O arroubo de ciúmes tarde da noite. O primeiro passo. O sofá branco na Santo Amaro. Não mais a divisória. Outro apertado apartamento. O mau cheiro. A raiva. As lembranças de Vila Mariana. O tráfego que gritava e zunia, noite e dia, sem direito a rima de consolação. O sofá branco acumulando lembranças. Quarenta anos. A passagem entre o sul e o leste. A parada. O sítio. As fotos de Santo Amaro da Purificação. A festa da cinquentenária. A confissão do arranjo para ir à festa. O dia de sábado como presente de aniversário. Mudança de comportamento. A docilidade e os sorriso. Mais gente a conhecer. Mais amizades prováveis. O contrário de tudo o que se conhecia até ali. A surpresas. Quarenta apitos ao mesmo tempo, todos cor de rosa, todos imitando una boquita pintada. Quarenta anos. O bolo enorme com a bailarina vestindo um tutu cor de rosa ao lado do Bambi. Os laços de fita cor de rosa. Os balões cor de rosa. Quarenta velas acesas e os apitos a gritar até o parabéns pra você. Que surpresa. O segundo passo. A passagem dos anos. O mesmo senso de desconfiança e a simpatia forçada, o sorriso ensaiado, a educação de manual de pedagogia. Tudo falso. Os anos. A amizade. O carinho O apartamento do Itaim. A visita. O gnocchi do dia 29. O sofá branco de frente para o projeto de varanda. O compêndio da memória do tempo que passa. Lugar comum. A tarde de trabalho com o telefone tocando intermitentemente. O ciúme. Duas garrafas de vinho. A massa que não secava. As risadas altas na cozinha. Cara feia. Muxoxo. Sangue nos olhos (?). A massa do gnocchi que não dava ponto. O choro. As lembranças. Mais uma garrafa de vinho. Os convidados chegando no doce toque da amizade celebrada. As lembranças trocadas. Os percursos desde a Paulista, pela Vila Mariana, na Santo Amaro. O apartamento do Itaim apertado para tanto afeto. Os amigos. Os sorriso. Os brindes. Do outro lado do sofá branco a cara feia, o muxoxo, o ciúme entre os dentes do melhor amigo, do outro lado. A massa pronta. Os brindes. Os elogios. Do outro lado, a recusa do prato “Está sem tempero. Também, com aquela bebedeira”. Silêncio na pequena sala. O vinho e os brindes. As risadas dos amigos e os brindes. A massa que se esgotou na travessa. Sucesso. O sofá branco como testemunha de mais uma tertúlia. Itaim. Doa alto do prédio. A cidade enevoada, também pelo sereno acompanhado dos miasmas do vinho. O tempo que passa. Tanta história. E o sofá branco silente. Incompreensível aquela mesa de café da manhã. Gomos de mexerica simulando visitas de abelhas. Uma doçura que não se perdeu com o tempo. Ainda que inexplicavelmente.

2 respostas para “23”.

  1. Instigante. Fica-se imaginando o que há por trás do texto, principalmente o ciúme qua não combina, tempos depois, com uma caprichada mesa de café. Quanta curiosidade! Bj.

    1. Então atingi meu objetivo om essa parte de capítulo de livro de ficção! OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: