Mais um convite

Trilogia. Substantivo feminino. Na Grécia antiga, nome dado a um poema dramático composto de três tragédias que deviam ser representadas juntas. Por extensão de sentido, quando se trata de uma narrativa, geralmente longa, convencionalmente chamada de romance, é o nome que se dá ao conjunto de três obras, unidas entre si por temática comum. Bom. Na acepção clássica, a ideia de representação em conjunto traz para os dias que correm, por exemplo plausível, a ideia da literatura “em série” dos três romances. É o que aconteceu comigo. Acabo de ler três livros de um mesmo autor. Uma trilogia. O nome dele? João Tordo. Um jovem escritor português em ascendente carreira literária na península. Os títulos das três obras que acabo de ler são: O luto de Elias Gro, O paraíso segundo Lars D. e O deslumbre de Cecilia Fluss. Não sou eu quem diz que se trata de uma trilogia. Não fui quem leu os três romances como uma trilogia. O próprio autor concebe o conjunto como tal: “Comecei logo com a ideia de que seria uma trilogia (…) Tinha deixado o personagem Lars um bocado em suspenso no primeiro livro e senti que a história ainda não tinha sido contada, mas aqui surge reinventada” (A íntegra da entrevista pode ser encontrada na seguinte ligação: (https://observador.pt/2015/11/04/o-luto-o-paraiso-e-a-trilogia-de-joao-tordo/). Os três livros são interessantíssimos. Como o próprio autor afirma, são independentes, apesar de constituírem um fio narrativo contínuo. Menos poético que meu xará português, José Luis Peixoto, mas não menos cativante, João Tordo pega o leitor a contrapelo de sua preguiça. A preguiça pode ser do leito, que fique bem claro. A contrapelo, porque estes três livros fazem parte de um conjunto que reúne obras diversas, de autores distintos, em momentos variados da Literatura ocidental. Um conjunto peculiar. Peculiar porque faz com que o leitor não tenha vontade de parar de ler, ainda que o faça, por circunstância. O “menos poético”, aqui, não deve ser tomado em sentido pejorativo. Longe disso. O fato é que p xará é, por natureza – e a responsabilidade por esta afirmação é total e absolutamente minha – um poeta. Suas narrativas envolvem o cérebro e o coração do leitor. A aura de uma linguagem plasticamente esculpida pela trama narrativa seduz e enleia o leitor. A poesia vence, ainda que, na forma, narre uma história, bem ao gosto dos relatos congêneres mais tradicionais. Esta é a única diferença. A preocupação de João Tordo, a meu ver, não deixa de ser com a plasticidade da palavra. Longe disso. No entanto, sua índole, diversa daquela de meu xará, seduz pela fluidez com que leva o leitor pelas sendas narrativas que desvenda. Sua linguagem flui, etérea, entre os pilares robustos e consistentes que sustentam a narração. Neste caso específico, as personagens passeiam entre os três livros. Elas trocam de desempenho. Fazem coisas diferentes, são pessoas e coisas diferentes. Uma personagem,, por exemplo, numa romance é um escritor, no outro é um cachorro. Há uma espécie de sequência genética que povoa o dramatis personae da trilogia. Isso não fica. Não fica pedante. Não. Absolutamente não. A delícia desta trilogia é que ela leva o leitor a pensar sobre a morte, sobre o ato de escrever, sobre as vicissitudes que as relações interpessoais constroem e impõem a todo mundo e a qualquer um. Esta marca é de João Tordo. O pensamento que decorre da leitura está longe de ser pesado, pedante. Chega a ser divertido. Há, em alguns trechos, referência – eu ouso dizer explícita, mas o faço como leitor, sem autorização do autor, com o pedido de desculpas pela redundância – a José Saramago. Especificamente, alguns pequeno diálogo marcados apenas por vírgulas. Mas isso é um detalhe que só faz consolidar a personalíssima escrita de João Tordo. O convite está feito. Recebeu-o, quem prestou atenção. Aceitá-lo-á, quem assim o quiser!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: