Duas pontas

Odysseus, o Velho, Companhia editorial, Porto Alegre, 2010. 

Sélesis e o Livro de Silbion, Campo Grande, Life Editora, 2020.

 “O meu fim evidente era atar as duas pontas da vida, e restaurar na velhice a adolescência. Pois, senhor, não consegui recompor o que foi nem o que fui. Em tudo, se o rosto é igual, a fisionomia é diferente. Se só me faltassem os outros, vá; um homem consola-se mais ou menos das pessoas que perde; mais falto eu mesmo, e esta lacuna é tudo.” Este período dá início ao terceiro parágrafo do segundo capítulo de um livro seminal: Dom casmurro. De todas as vezes que li o romance – e o faço agora, uma vez mais, com a publicação de nova edição (comentada) do Clube de Literatura Clássica, de que sou sócio – a sensação de suspense insatisfeito me invade e recobre. Esta edição é interessante porque comentada. Cada entrelinha, cada referência, cada citação. Leitura mais que gratificantes. Pois então, de todas as vezes que li Dom Casmurro, a passagem do início do presente texto me incomodou, fascinou, instigou. A restauração da adolescência na velhice, por impossível, só se concretiza na leitura de qualquer que seja o romance, o conto, o poema. Disso não tenho dúvida. A diferença da fisionomia num rosto que permanece o mesmo, apesar das marcas de expressão e as linhas que o tempo vai marcando, apenas atestam a passagem do tempo que a tudo recorre, a tudo recobre e sempre está a dizer: acompanha-me ou devoro-te! A blague escapou. Por fim “falto eu mesmo, e esta lacuna é tudo”. Esta é a pá de cal que Bentinho o protagonista/narrador do romance joga na nossa cara fazendo deixar de lado qualquer sombra de d´vida sobre nossa própria falibilidade ao julgar os acontecimentos diacrônica ou sincronicamente. Ele o tentou, ainda que personagem ficcional, e falhou. As duas pontoas que pensei em reatar aqui são representadas, de um lado, por Odysseus, o velho; de outro, Sélesis e Livro de Silbion. Ambos de autoria de Carlos Nejar. Há um tempo, escrevi uma resenha sobre o primeiro dele citado aqui. Nela, a certa altura, dizia: “A primeira impressão que tenho é a de que Camões, Dante, Homero e, em certa medida, Cervantes, passeiam pelo texto do poeta gaúcho de maneira sutil, elaborada e eficiente. Portanto, eu poderia dizer que se trata de um texto sofisticado. Odysseus, o velho é um emaranhado de referências míticas, históricas, literárias que enredam um discurso elaborado. Sua construção tange a beleza plástica da palavra. Trata-se da elaboração poética de uma epopeia, sem, necessariamente, seguir os passos clássicos do gênero. No entanto, a “essência” deste mesmo gênero transparece clara e lucidamente em cada linha do longo poema. Estruturado em quatro conjuntos de poemas – em números variados –, remodelam a saga de um herói legendário em suas reflexões sobre a vida, suas relações, seus feitos, a mulher, o amor e a família. Cronos é a divindade que conduz o texto nas entrelinhas, tornando possível ler todo o volume “sofisticado” e primorosamente encadernado. O leitor saberá perceber em que sentido utilizo, aqui, o adjetivo.” A sofisticação do edifício vocabular/poético de Carlos Nejar, no livro que resenhei por primeiro, permanece incólume, galharda, rutilante nos dois últimas aqui referidos. Estes, li-os em edição recente, comemorativa dos 60 anos de carreira do escritor. Livros que não conhecia, mas que reconheci pela leitura, no prazer de navegar pelas imagens e referências, descrições e detalhes, que a sofisticação poética do autor oferecer a quem o ler, desde as primeiras linhas dos dois primeiros livros publicados, até o última linha de seu último livro de poesia, Odysseus, o velho. Na dupla reeditada, a mesma epopeia é construída, já em embrião, arriscaria eu – tentando unira as tais duas pontas… – dado que o que se lê nos versos impressos é do mesmo quilate do que vai ser lido na trajetória poética do retorno de Ulisses. Em Sélesis e Livro de Silbion parece haver um grito surdo a evocar criaturas míticas que, no contexto da atualidade, recuperam arcanos da existência humana em articulação com os quatro elementos fundamentais. Uma aventura filosófica, expressa em poesia e sob cuja égide passeiam ideias de Empédocles, Aristóteles e Demócrito. O vigor telúrico das imagens é herança gaúcha – arriscaria eu – a sustentar o discurso por vezes melancólico, por vezes heroico, das “personagens” que passeiam pelos dois livros recentemente reeditados. No outro, o Odysseus vai comentando as incertezas e desilusões (Será que seria mesmo apenas isso?) de sua trajetória heroica sobre a terra. A coloração outonal dos versos deste livro ecoam, em certa medida, a pujante poesia que se apresenta nos dois primeiros livros publicados. Desse modo, nesse vai e vem de leituras, encontro-me no mesmo impasse que Bentinho. No meu caso, não sinto desejo de eleger um vencedor, ou substituir uma coisa pela outra. De fato, a minha ideia era homenagear o autor, comentando minhas impressões 0 mesmo que imprecisas e titubeantes. A pretensão é demasiada. No entanto, a poesia de Carlos Nejar, seja expressa em versos, seja na sua prosa, não se ausenta um segundo sequer do horizonte de expectativas de qualquer leitor com um mínimo de sensibilidade. A percepção se aguça. as imagens vão surgindo. O movimento coleante da sedução poética não cessa. O deleite é garantido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: