Parabolucha

Para quem sabe ler, um pingo é letra…

Então é assim. A avaliação do tutor tem regras muito rígidas e a competição é grande. Porque grande é a corrida pelo poder. Quem mais aparece, mais é lembrado e o sucesso depende disso. São cem elementos sob responsabilidade de cada um dos dois tutores. Ambos têm a mesma formação e a mesma qualificação. Ao contrário, segundo as regras do jogo, não estariam na posição em que se encontram hoje. Muito bem. O primeiro grupo a ser avaliado é dos que constituíram as turmas de cada tutor no ano anterior. Logo aí começam as diferenças (que deveriam contar, mas…). No primeiro grupo, 65 e no segundo, 32. Uma diferença grande. Os testes foram aplicados e o resultado até que não foi tão desastroso assim. A comissão divulgou sua avaliação argumentando que o primeiro tutor é melhor que o segundo porque obteve índice maior de aproveitamento. Houve celeuma. Alguém argumentou que a comissão não considerou a faixa etárias dos componentes de cada grupo. Outro chegou e defender que o sexo de cada um dos componentes de cada grupo interferiu. No resultado final. Houve quem apontasse o fato de os testes terem sido aplicados em horários diferentes – grupo um, pela manhã e grupo dois, à tarde – o que também poderia ter interferido no resultado. Por fim, houve certo consenso quanto ao fato de a comissão não ter considerado o fato de que o teste era composto de três etapas. Cada uma delas classificatória e cada uma delas constituindo critério de avaliação para a classificação final. Ou seja, para cada critério haveria um “resultado” relativo que, ao final das contas, poderia levar a um resultado diverso, caso isso fosse considerado e avaliação final pela comissão tivesse mesmo interesse em apontar o “melhor”, respeitados TODOS os critérios em suas nuances. É sempre assim. Fica mais fácil condenar, a partir de resultados “absolutos” que premiar, a partir do geral. Doa a quem doer.

2 respostas para “Parabolucha”.

  1. Fiquei curiosa para saber sobre o quê você falou. Mas falou bem! As usual.

    1. É sobre o “tratamento”de dados estatísticos em tempo de busca de derrubada de presidente. Não interessa mais nada à imprensa”. Não importa mais nada para além da derrubada em si… Nada de importante”…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: