Discurso

Dizem que o autor do texto que segue abaixo é de autoria do General da Reserva, Gramoza (Exército do Brasil). Não sei dizer. Não fui procurar, nem no Google que é quase automático. Compartilho aqui, o texto, porque ele me fez pensar. Sim, eu ainda penso, apesar de todos os pesares, sobretudo de minha proverbial síndrome macunaímica. É preciso esclarecer, apesar do elevado índice de inteligência letrada da população brasileira, que, ao compartilhar o texto, não subscrevo automaticamente suas ideias. Em igual medida, ao fazê-lo, não estou a concordar dubio procul com suas ideias. Faço-o, repito, porque o texto me fez pensar e… penso (!) que esta é uma prática saudável à qual convido os que leem isso, sabendo, de antemão, que praticamente a totalidade de meus leitores já o faz. Mas sou um chato…

“Liberdade para quê?

Liberdade para quem?
Liberdade para roubar, matar, corromper, mentir, enganar, traficar e viciar?
Liberdade para ladrões, assassinos, corruptos e corruptores, para mentirosos, traficantes, viciados e hipócritas?
Falam de uma “noite” que durou 21 anos, enquanto fecham os olhos para a baderna, a roubalheira e o desmando que, à  luz do dia, já dura 36!
Fala-se muito em liberdade!
Liberdade que se vê de dentro de casa, por detrás das grades de segurança, de dentro de carros blindados e dos vidros  fumê!
Mas, afinal, o que se vê?
Vê-se tiroteios, incompetência, corrupção, quadrilhas e quadrilheiros, guerra de gangues e traficantes, Polícia Pacificadora, Exército nos morros, negociação com bandidos, violência e muita hipocrisia.
Olhando mais adiante, enxergamos assaltos, estupros, pedófilos, professores desmoralizados, ameaçados e mortos, vemos bullying, conivência e mentiras, vemos crianças que matam, crianças drogadas, crianças famintas, crianças armadas, crianças arrastadas, crianças  assassinadas.
Da janela dos apartamentos e nas telas das televisões vemos arrastões, bloqueios de ruas e estradas, terras invadidas, favelas atacadas, policiais bandidos e assaltos a mão armada.
Vivemos em uma terra sem lei, assistimos a massacres, chacinas e sequestros. Uma terra em que a família não é valor, onde menores são explorados e violados por pais, parentes, amigos, patrícios e estrangeiros.
Mas, afinal, onde é que nós vivemos?
Vivemos no país da impunidade onde o crime compensa e o criminoso é conhecido, reconhecido, recompensado, indenizado e transformado em herói!

Onde bandidos de todos os colarinhos fazem leis para si, organizam “mensalões” e vendem sentenças!
Nesta terra, a propriedade alheia, a qualquer hora e em qualquer lugar, é tomada de seus donos, os bancos são assaltados e os caixas explodidos. É aqui, na terra da “liberdade”, que encontramos a “cracolândia” e a “robauto”, “dominadas” e vigiadas pela polícia!
Vivemos no país da censura velada, do “micro-ondas”, dos toques de recolher, da lei do silêncio e da convivência pacífica do contraventor com o homem da lei. País onde bandidos comandam o crime e  a vida de dentro das prisões, onde fazendas são invadidas, lavouras  destruídas e o gado dizimado, sem contar quando destroem pesquisas cientificas  de anos, irrecuperáveis!
Mas, afinal, de quem é a liberdade que se vê?
Nossa, que somos prisioneiros do medo e reféns da impunidade ou da bandidagem organizada e institucionalizada que a  controla?
Afinal, aqueles da escuridão eram “anos de chumbo” ou anos de paz?
E estes em que vivemos, são anos de liberdade ou de compensação do crime, do desmando e da  desordem?
Quanta falsidade, quanta mentira, quanta canalhice ainda teremos que suportar, sentir e sofrer, até que a indignação nos traga de volta a vergonha, a autoestima e a própria  dignidade?
Quando será que nós, homens e mulheres de bem, traremos de volta a nossa liberdade?”

2 respostas para “Discurso”.

  1. Contundente! Dói ler! Precisamos de uma nova intervenção militar para que os brasileiros de hoje conheçam um outro país, no qual nós tivemos a oportunidade de viver. Gostei do texto.

    1. Pode ser que a tal d intervenção ajude a resolver alguma coisa. No entanto como dizem os gauchos: de pato a ganso, pouco avanço. O buraco é mais em baixo e bem mais fundo. Não acredito mais em correção, mudança ou melhoria. Penso que não vamos ver mudança. O necessário seria começar da estaca zero. Será que Deus tem saco pra fazer tudo de novo? Vai ver tem… é só a gente espera pra ver… enquanto for possível esperar. Ni fundo, estou come medo do que possa advir da próxima comemoração da “independência”… outra falácia. Que bom que você gostou!. beijinho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: