Categoria: Romance

  • 14

    No meio da escadaria. No meio daquela gente toda. A academia em polvorosa. Agitada, elétrica, crente me seu esplendor e glória na bajulação dos ícones de areia que perambulavam pontificais no meio da patuleia letrada. Um triunfo. De repente, do nada, Zildah Kurve atravessa o povo e pergunta se estava tudo bem. Tudo, tudo bem […]

  • 13

    Foi ao longo de um período. Longe de ter sido um acontecimento fortuito, gratuito, sazonal. Definitivamente foi o contrário. A primeira manifestação veio quando do comício. A chuva. A multidão, O discurso inflamado do candidato, as aulas “matadas” para ir até a praça da estação ouvir o candidato. Se o outro, preparado, experiente, muito bem […]

  • 12

    Foram, no máximo, oito dias. Entre o aniversário do neto e a internação. Uma semana mais um dia. Muito pouco tempo. Muita intensidade para um curto espaço de tempo. Muita tensão a se acumular. A saga começara no domingo mesmo do aniversário do neto. O pai de uma amiga, assim, de repente, morre. Depois do […]

  • 11

    Uma época em que as férias significavam duas coisas: o tormento da viagem e a delícia da praia por quinze dias ou um mês. A viagem num fusca com três crianças e toda a quinquilharia para a casa: panelas, guarnição de cama, mesa e banho. Utensílios e produtos de limpeza, a prancha de isopor, os […]

  • 10

    Foi assim, de repente. Do nada. Uma angústia no peito. Uma vontade de gritar. O olhar triste e enviesado. Suspiro atrás de suspiro. Anos depois. Sempre cuidado dos outros. Sexta na linha de nove filhos. Antes dela, só uma mulher. Quatro homens. Pai e mãe trabalhadores. Um negócio na cidade: secos e molhados. Um cavalo […]

  • Trecho

    “Qual seria o nome do que se sente quando se percebe que o tempo passou? Isso tem nome? Será que alguém pode sintetizar em palavras o que é que se vai percebendo na medida da passagem do tempo? Essas e outras perguntas podem perturbar a mente de qualquer um. Indubitavelmente. Todos os dias fazer a […]

  • Para “Tópicos de crítica” II

    A postagem de hoje tenta unir o útil ao agradável. Claro está que os dois textos de Freud – “Escritores criativos e devaneios”  e “Recordar, repetir, elaborar” são o pano de fundo, sobretudo o segundo. Acima de tudo o segundo! Do outro lado, está o romance de José Luiz Passos que vocês já leram, estão […]

  • Diário Coimbrão 6

    Ainda não vi engarrafamento de trânsito em Coimbra. Claro está que a certa hora do dia – mais ou menos entre as quatro e meia e as seis da tarde, o tráfego fica mais carregado. No bairro em que moro e por conta de uma escola infantil que manda pra casa as crianças depois das […]

  • O vestido azul

    Dia útil. Inverno, apesar da temperatura e alta e de um calor inexplicável, misto de umidade represada pelo entorno montanhoso. Nada parecia diferente. De fato, nada era diferente. A fila na entrada do banco, com os mesmos tipos andrajosos, aparentando sujeira e subnutrição; o mesmo clima provinciano de gente que se considera urbana, ainda que […]

  • Trecho de romance

    “Nas paredes do quarto, os certificados, diplomas, fotos e títulos recobrem as marcas do tempo. O perímetro da emoção, conservado pela maré dos dias que leva e traz recordações nem sempre luminosas. Mas a sensação de deja vu não passa e a certeza esvai-se nas sombras da névoa outonal que recobre a grama do jardim […]