Opiniões

Faz um tempo, uma conhecida estava em casa, em férias, como Inês, posta em seu sossego, quando recebe um telefonema. Era a secretária do diretor de um colégio tradicionalíssimo da capital das alterosas. Confesso: por vezes, penso eu o epíteto funciona mais como condenação que elogio. Mas enfim… Recebeu o telefonema, tentou argumentar que estava em férias. Não teve jeito, a secretária contra argumentou com a ordem do diretor: “É de seu interesse”. A minha conhecida foi ao colégio na data e hora marcadas. Em lá chegando, deparou-se com um comitê de recepção formado por vários pares de pais de alunos, praticamente todos já dela conhecidos. O diretor encaminhou o grupo para sua sala e começou a oração. Isso e aquilo, pediu ao presidente do “conselho de pais” que lesse, ele mesmo, a carta que enviara para a direção da escola. Carta longa, com alguns senões sintáticos e terminológicos – segundo o relato, àquela altura, de minha conhecida. Carta acusatória em que ela, a minha conhecida era admoestada a dar explicações sobre a acusação de que era vítima, exarada por um dos filhos de um dos casais que compunham o tal “conselho”. Triste coincidência: o tal estudante era filho do presidente do “conselho”, que lia a carta. Faço uma ideia do tom de arrogância, prepotência e desdém com que foi lido. Só faço uma ideia. Pois bem, terminada a leitura, a professora, atônita, argumentou não alcançar o sentido da acusação pois não se lembrava de ter incitado seus alunos à prática de beijo entre dois homens, conforme a “peça acusatória”. A indignação do gruo aumentou. O semblante do diretor ficou ainda mais escuro. Ela continuou sua defesa tendo que interromper a própria locução por conta dos vitupérios e muxoxos dos “conselheiros”. Ao fim da balbúrdia, o diretor vociferou que o estudante o havia procurado dizendo que professora tinha dito na sala de aula: “minha língua roça a língua de Luis de Camões”. Como era estudante “aplicado”, o dito cujo, o dito cujo perguntou ao diretor se isso não era uma forma de a professora dizer que um homem beijar outro homem era uma coisa bonita, boa, gostosa. Afinal ela disse “minha língua roça”. Acreditem! Foi isso E o direto convocou o dito “conselho” e convocou a professora. Ela, diante de tal “argumento”, explicou o óbvio – para ela. Tratava-se de uma aula em que utilizou o verso da música do Caetano Veloso, um elogio à Língua Portuguesa. Era uma espécie de mote para a aula. Só isso. A vociferação aumentou. O clima ficou pesado. O diretor, então, calando a patuleia disse que a professora deveria se retratar diante do egrégio “conselho”, por escrito, para que a carta ficasse devidamente arquivada como documento comprobatório de sua obediência. Ela se negou a fazê-lo. O diretor insistiu, sob a nuvem negra de resmungos e mais muxoxos, desta feita, agressivos e condenatórios. Ela insistiu em negar, O diretor, então, para “evitar o pior” (sic!) disse que ela seria sumariamente demitida. Minha conhecida não se deu por vencida. Levantou-se e, antes que as medidas da demissão fossem tomadas, vaticinou sua própria auto demissão e saiu da sala. Saiu do colégio. Jamais voltou a por os pés lá. Não matriculou os filhos nessa “escola”. Faz tempo que não a veja, mas imagino que os filhos devem estar muito bem, assim ela própria, é o meu desejo. Este pequeno relato é fruto do resultado da cutucada em minha memória dada pela notícias que anda fazendo a felicidade de muita gente. No Colégio Loyola, outra escola tão tradicional como aquela em que minha conhecida trabalhou, anulou um teste de Língua Portuguesa, pelo simples fato de que o texto utilizado na tal prova era de autoria de um tal de Duvivier, tido e havido como comediante, em coautoria com outro indivíduo da mesma espécie. Creio que não preciso insistir na ideia de que não vou com a cara de nenhum dos dois. O argumento da escola, de novo apoiada por uma carta escrita por uma mãe “preocupada com a educação de seus filhos”, é que o tal texto é tendencioso, ideologicamente, e estava a sustentar doutrinação político-partidária por parte do professor – neste caso, não é meu conhecido, mas importa tanto quanto para mim. Confesso, antes de mais, a minha quase total ignorância a respeito acerca do tal projeto “escola sem partido”, por força da miríade multifacetada de opiniões, vaticínios, ameaças, sandices e pensamentos acerca disso. Em relação à minha pessoa, claro. Logo, não posso tirar conclusão alguma. De mais a mais, isso aqui não é um tratado, nem uma tese acadêmica, muito menos um “artigo científico”. Portanto, não sou obrigado a dar satisfações a quem quer que seja, pois não faço outra coisa a não ser abrir a cortina e observar o cenário. As conclusões ficam por conta de quem me ler. Se é que alguém vai me ler. Se é que a leitura vai motivar algum tipo de raciocínio posterior. Fica a dica…

Das chatices que vêm com o tempo

th

“Protágoras de Almeida e Castro é um leitor com alto índice de acuidade exegética. O que diz sobre o romance acerca do qual comenta é notável. Com justeza e sinceridade, faz afirmações coerentes e adequadas ao material que compõe a narrativa que lê. Conhecedor que é da obra do autor sobre o qual se debruça, confirma sua autoridade, sem resvalar em falácias ou afirmações categóricas sem o devido respaldo. Ocorre, no entanto, que suas intuições deveriam vir ancoradas em referências mais sólidas. Explico-me. O crítico infere relações de sentido e apresenta elementos de ilação hermenêutica que se fazem consistentes. No entanto, ao não citar nomes de referência da crítica/teoria literária incorre em categorizações que deixam de apresentar a necessária espessura, para não incorrer em opinião pessoal de menor espectro. Ao ler suas considerações, não se pode dizer que não saiba do que está falando, mas parece uma voz no deserto quando não cita autores que também já se manifestaram sobre os mesmos tópicos (no caso genérico da crítica/teoria) e/ou suas realizações estéticas/formais (no caso do autor em questão). Eu diria que o trabalho peca por falta de citações e referências explícitas. Ao fim e ao cabo, não pode ser relegado ao plano da “opinião”, pela consistência dos elementos discursivos de que se utiliza e que demonstram sua atenta acuidade de leitor voraz e preparado. Se refeito o trabalho, em respeito às normas, não vejo porque não aprová-lo trabalho.”

th (1)

O parágrafo acima é extrato de um parecer dado a trabalho acadêmico supostamente apresentado como instrumento parcial para obtenção de título acadêmico. Não importa o seu grau. O que me chama a atenção é a argumentação exarada no texto do parecerista. Ressalte-se sua intensa e vigorosa “cobrança” de referências e citações, o que revela, antes de mais nada e acima de tudo, um exacerbado uso de categorias um tanto fossilizadas pela burocracia acadêmica, no que diz respeito a suas normatizações e protocolos. Claro está que ninguém há de conseguir alçar os píncaros desta egrégia instituição, a universidade, sem se submeter aos protocolos que ela mesma institui e celebra para adequar seus critérios avaliativos. No entanto, o fato de demonstrar “conhecimento de causa” não precisa, necessariamente, transformar-se em critério eliminatório de um escrito, demonstrada que tenha sido a eficiência e a eficácia dos argumentos arrolados em qualquer texto que se apresente como candidatura a um título. Explico-me: não basta demonstrar que sabe… Em outras palavras: não que ser apenas honesto, há que parecer honesto (quem foi mesmo que disse isso???). O que ressalta aos olhos, no fundo, é certa dose de incoerência e/ou contradição do parecerista, para não dizer temor em dizer o que pensa – em função do objeto de análise e não em relação ao que podem dizer acerca do parecer, ele mesmo… e de seu autor…, – pois ele aprova e reprova, simultaneamente, ao longo de suas considerações, sem definir uma posição clara para, no final, optar por exigir (ainda que implicitamente) o trabalho seja reescrito em obediências às normas e aos protocolos de praxe. E eu em pergunto: o que realmente tem “valor” – a discussão desse tema mereceria outras linhas em separado – na situação que se apresenta. Por que não aprovar o trabalho, de conteúdo incontestavelmente válido e qualificado, ainda que não “apresentado” num modelo estrito e, vamos ser sinceros, redutor. Por outro lado, se existem os modelos – ainda que coercitivo – porque o trabalho não foi assim apresentado, evitando certos incômodos posteriores, da ordem do burocrático? E, em terceiro lugar, oh dúvida cruel, o que realmente é para ser feito: um trabalho sério, consistente, ou o preenchimento de um subliminar formulário?

th (2)

Perguntei ao Dr. Google sobre o indivíduo acerca do qual escrevi as linhas acima e ele ficou silente. Não me foi dada sequer uma referência. Logo, posso concluir que sou isento de qualquer tipo de responsabilização… Isto posto, estou tranquilo, afinal, tudo não passou de ficção… e ironia!

Notícias

th (1)

Li na edição de hoje do jornal Estado de Minas uma notícia que me fez pensar. Geralmente, leio as manchetes e, quando muito, a legenda da foto – quando é o caso. No entanto, hoje, depois de fazer a leitura de praxe, dei-me ao trabalho de ler a matéria na íntegra. Trata-se de um caso que ocorreu há quase dois anos, se não me engano em Pernambuco. O professor chama a atenção de uma estudante, em sala de aula, mudando-a de lugar porque ela estava conversando e, assim, atrapalhava o andamento do seu trabalho. A “estudante” (Ou seria “estudanta”, a seguir as regras de gramática recentemente revisadas por alguém investido de “poder”…?) teria dito ao professor que já tinha 18 anos e que ninguém mandava nela (Minha vontade é de usar as aspas, mas não me atrevo: preguiça de procurar fontes e referências para ter certezas igualmente questionáveis…). Se li direito a matéria, no dia seguinte, a mãe (Ou teria sido o pai? Nas atuais “condições de temperatura e pressão” isso faz mesmo diferença?) foi até a escola e fez reclamação contra o professor, “argumentando” que a filha foi constrangida diante dos colegas e que estaria sofrendo consequências psicológicas em seu comportamento por conta da violência do professor. A referida “mãe” acionou o Conselho Tutelar e o Ministério Público de Pernambuco. O professor, ao que parece, registrou boletim de ocorrência e o processo “correu”. Levou um tempo, mas, ao final, a família da “aluna” foi condenada a pagar R$ 5.000,00 de indenização ao professor, parece, por danos morais. A matéria termina com uma “pérola” da psicóloga (Não coloquei aspas na segunda palavra para não ficar pesado… o visual da frase!), que afirma que o professor tinha razão pois “O professor tem direito a ditar regras e os alunos devem estar preparados para ouvi-lo” (Declaração da “especialista”).

th

Pois bem. A primeira coisa que me veio ao pensamento foi a atitude da aluna. Pouco a comentar. Tenho primas professoras e diretoras de escola. Sou professor universitário. Escuto relatos os mais variados daqui e d’acolá. Logo, pouco a comentar. A atitude desta “garota” nada mais revela que a falência da educação que ela não recebeu. Fico imaginando o que deve ter sido dito a ela, que exemplo ela terá presenciado, que tipo de relação com a realidade ela estabeleceu a partir do que vê, escuta e faz em casa. Aqui ratifico um bordão: educação se adquire em casa e é responsabilidade dos pais. Na escola, o processo é de escolarização, portanto, complementar. No meu tempo (Fala Matusalém!) a gente entrava na escola sabendo escutar, obedecendo ordens, reconhecendo a autoridade e comportando-se adequadamente. A segunda, diz respeito às atitudes da mãe e do professor. Quanto ao segundo, imagino o que deve ser passado por sua cabeça quando da reação da aluna. Em seu lugar, não sei se teria sangue frio e sensatez suficientes para saber reagir de maneira adequada. Já em relação à “mãe”, bem, que coceira na língua… Essa mãe deve ser mais um exemplar do estereótipo que, infelizmente, hoje impera nas famigeradas “redes sociais” e peças publicitárias. Não deve passar disso: um estereótipo. Pelo que a notícia traz de declarações da dita cuja, a atitude que toma é, igual e infelizmente, típica. Guardei o melhor para o final, coincidentemente, seguindo a ordem cronológica da “narrativa” que a notícia explicita (Alguém pode me explicar como foi que nasceu e tem se desenvolvido esse novo conceito de “narrativa”? Intrigante…). A psicóloga, “especialista”, segundo o texto da notícia. A dita cuja afirma que – e repito –: “O professor tem direito a ditar regras e os alunos devem estar preparados para ouvi-lo”. Li corretamente?: “direito a ditar regras”? Até onde acompanhei a procissão, penso que não se trata de “direito” e, muito menos, de “ditar regras”. Estas preexistem a qualquer volição subjetiva. Depois, o professor é responsável pela execução de atividades condicionadas a princípios e regulações que devem ser seguidos, independentemente da vontade de outrem. Ou seja, ao entrar na escola – se educado, obviamente – o estudante introjeta as regras da instituição em que inicia suas atividades exatamente por força da educação que recebeu em casa. Ou seja, não se trata de direito, mas de responsabilidade, obrigação. E não de “ditar regras”, mas de fazer segui-las, obedecê-las, operacionalizar os princípios de comportamento e execução das atividades formativas. A sequência da assertiva “especializada” por aquela que é identificada como “psicóloga” é por demais óbvia: prescinde de exegese…

th (2)

É isso. Assim caminha a humanidade…

Dias

sao jose

Hoje é dia de São José. Não sou santo, mas sou José. Na verdade, José Luiz, mas José. Posso, então, considerar hoje o meu dia. Pretensão… Sei não… Pode ser… E se for… Há que se sentir culpado? Há que ficar fazendo discurso de modéstia e humildade? Há que me vangloriar. Sei não… O que sei é que metade do meu nome ´José. A outra metade, Luiz. Escrevi cinco linhas e disse muito pouco. Há que vá me julgar…

ronaldo

Li ontem, no Estado de Minas (minha mãe resiste à ideia de ter um tablete pra ler o jornal e eu ter que acabar essa irritação com os atrasos do entregador do jornal em papel. Uma chatice. Se bem que jornal velho, às vezes, é muito útil. E chega. Não vou escrever outras cinco linhas dizendo nada). Li no Jornal ontem, na página do Editorial, da Opinião, das cartas dos leitores (Os Diários Associados” ainda não acabaram com esta página, como já fizeram com outras tantas de utilidade indiscutível). Pois bem. Li na tal página um “artigo” (?) de Ronaldo Mota, identificado como reitor da Universidade Estácio de Sá. Conheci o gajo nos idos de 90, do século passado (isso soa tão antigo…), em Santa Maria da boca do monte, lá mesmo, no Rio Grande do Sul, no ponto geodésico zero do Estado. Vivi cinco anos por lá. O gajo era professor de física, tudo e havido como um homem bonito. Bem casado – o que causava alegre e descompromissado ciúme do grupo de mulheres amigo do casal que recebia muito bem. Pois… O atual reitor da Universidade Estácio de Sá escreve, logo no primeiro parágrafo de seu “artigo” (?) o que segue:

“Como pensar o papel do docente nos tempos atuais, em que o aluno é diferente do que ele era há poucas décadas atrás? Ou seja, os educandos já não são os mesmos e tampouco o mundo nos quais os estudantes estão imersos é parecido com antes. Há poucas alternativas ao educador, a não ser se reconfigurar para não se tornar inócuo ou mesmo deixar de existir.”

Antes de continuar, devo advertir a quem me lê que minha preguiça impede que eu continue a comentar o que vou comentar em relação a todo o “artigo” (?) do professor. Para além disso, é necessário acrescentar a este introito o seguinte: sou um chato. Pois bem. Vamos adiante. A primeira pergunta que faço é: apenas o aluno “é diferente do que ele era há poucas décadas atrás”? Penso que a diferença se espraia por campo muito vasto que o restrito escol discente a que se refere o autor. Causa-me espécie qualquer raciocínio que, com tal restrição, eleve esse “corpo” (o discente) à altura de foco e núcleo , absoluto e irrecorrível, de qualquer conjuntura que se construa no campo da educação. O aluno não existe por si só. Ele não é o único envolvido. O corpo discente é concorrente (no sentido de articulação) ao docente. Punto i bata“! A segunda pergunta é: Se a tal “diferença” (implícita, ideológica e tendenciosamente positiva) dos alunos é diferente, um dos motivos desta mesma diferença assenta-se no fato óbvio de que o tempo corre, que as coisas mudam e que as configurações que se apresentam em miríades de possibilidades – todas elas adstritas ao imponderável – também seguem o mesmo fluxo.  Chamo a atenção para um problema de concordância, antes de passar à terceira e derradeira pergunta. O correto, do ponto de vista sintático é: “… e tampouco o mundo no qual os estudantes serão imersos…”. O sujeito é “o mundo” não “os estudantes”. O deslize não chega a ser grave, mas o jornal é mediação pública de leitura. E quem escreve é um “doutor”. Logo… Vamos à terceira pergunta: Existem mesmo “poucas alternativas ao educador, a não ser se reconfigurar”? Ora… “reconfigurar” é verbo que remete à ideia de um mundo digitalizado, algo que toca as ideias de softwares, aplicativos e configuração de sistemas. Para a minha chatice é inapropriado. Ademais, só o professor deve ceder à exigência de novas reconfigurações? Por quê? Não vou me estender e concluo dizendo o seguinte: ninguém aprende sozinho. A experiência pessoa é rica e profícua, mas não determina o cerne do conhecido que EXIGE estudo, leitura, reflexão. Por fim, os estudantes carecem de algo que, no meu tempo (ai que antigo!) se aprendia em casa: respeito, ideia, obediência, limite, possibilidade e responsabilidade, para terminar a lista aqui e deixar a provocação fazer seu efeito…

software

livro

 

 

Missão

 

Na maré de desânimo e falta de incentivo em que me sinto imerso, o texto que segue me faz respirar e acreditar que alguma coisa faz sentido. Digo isso porque se afirmasse que sou obrigado a fazer determinadas coisas estaria dizendo apenas parte da verdade. Ainda há espaço, na minha cabela pelo menos, para inventar ousar, experimentar, sobretudo quando se trata de LER um TEXTO que se quer LITERÁRIO. Não sou original quando digo que Rodrigo Gurgel tem razão. E por meio dele, que Todorov também tem razão. Sem razão é aquele ou aquela que afirma – como já ouvi pasmado, num corredor de uma faculdade de letras de uma universidade “pública, gratuita e de qualidade” – que para dar aulas de literatura não precisava mais ler romances,contos ou poemas. Quando ouvi isso me perguntei – e ainda me pergunto – as aulas dadas são sobre o que então!!! Mesmo situação se repete quando, ao observar o programa de um curso de crítica literária numa outra instituição de igual quilate, o colega lista uma série de textos para leitura e discussão com os alunos. pasmado percebi que não havia nenhum poema, conto ou trecho de romance na lista. Se o curso era para ser de crítica literária…

O texto que segue, me foi enviado por uma amiga e se encontra no seguinte endereço eletrônico: https://www.facebook.com/RodrigoGurgelcriticoliterario/?fref=nf.

Boa leitura!

14184402_10153763685652109_1792844873698618155_n

Como a universidade poderia auxiliar na formação de bons leitores de literatura, de bons professores de literatura ou de bons críticos literários?

Primeiro, ela precisa colocar o texto literário acima das teorias. Segundo, deve oferecer ao estudante um panorama fidedigno dos estudos literários — um panorama isento de ideologia. O que, é claro, não acontece.

Costumo dar um exemplo muito comum, que se repete em nossos cursos de Letras: quase todo estudante precisa ler, no Brasil, algumas páginas do “Poética da Prosa”, de Tzvetan Todorov, obra publicada em 1971. Mas é raríssimo encontrar professores que se esforçam para mostrar que Todorov continua ativo em seu trabalho intelectual e, passados mais de 30 anos, em 2007, publicou “A literatura em perigo”, livro no qual recusa as soluções que defendeu no início da carreira, quando participava do grupo estruturalista, e mostra como aquelas ideias prejudicaram a literatura e precisam ser superadas.

Como dizia Ezra Pound, referindo-se aos estudos literários, “o primeiro pântano de inércia pode ser devido à mera ignorância da extensão do assunto ou ao simples propósito de não se afastar de uma área de semi-ignorância. A maior barreira é erguida, provavelmente, por professores que sabem um pouco mais que o público, que querem explorar sua fração de conhecimento e que são totalmente avessos a fazer o mínimo esforço para aprender alguma coisa mais”.

As universidades voltarão a ser úteis quando abandonarem a mera doutrinação dos alunos e decidirem cumprir sua verdadeira função: inserir os alunos no grande debate da inteligência, em que todos podem evoluir e mudar livremente de pensamento.

download-3

Aprendizagem

download-2

Houve um tempo em que, para se comer uma pamonha de milho verde, levava-se quase um dia todo. Primeiro colher as espigas ou, se já colhidas estivessem, descascá-las – tomando cuidado para preservar as palhas melhores, para embrulhar as pamonhas -, limpá-las – tirar aquele “cabelinho” era muito custoso -, lavá-las e raspá-las “até o sabugo” – no adagiário popular esta expressão pode querer dizer outra(s) coisa(s), mas declino do direito de me alonga sobre tal assunto… Depois disso era moer tudo aquilo, numa máquina de moer carne, coisa que cansava, levava tempo e doía. Daí se coava aquela matéria quase líquida, o que demandava mais um tanto de tempo. O que resultava da coagem era cozido, lentamente. Acrescentava-se queijo, açúcar, leite e dá-lhe ficar mexendo – com um colher de pau, é claro! – até que ficasse cozido. O resultado era um mingau de milho verde, muito popular. Se, por acaso, se quisesse mesmo comer pamonha de milho verde, era necessário fazê-las, antes de cozinhar a matéria coada, como dantes. Fazia-se uma espécie de bolsa com uma ou duas palhas verdes de milho. Enchia-se esta bolsinha com o líquido amarelo, devidamente “temperado” – o queijo e o açúcar! – e colocava-se a bolsinha em água fervente para cozinhar. O tempo para ficar pronto, amim sempre pareceu intuitivo. Calma… ainda não acabou! Depois der cozido, esperava-se esfriar um pouco para então saborear o quitute… dos deuses. É de comer rezando, de joelhos, agradecendo a Deus a oportunidade de ter vivido com saúde, e paladar, até aquele momento! Ufa! \pode ser que alguém tenha se cansado e até desistido de chegar até aqui com a leitura. Ou pior, tenha desistido de experimentar a guloseima. Não desista. Se não quiser fazer esforço algum – perdendo, é claro, todo o prazer do processo de feitura – vá a uma casa que venda pamonhas ou então atenda ao reclame enjoado e repetitivo daqueles carros que passam gritando a mesma lenga-lenga de sempre: “Olha a pamonha!”. Não tem graça.

download-1

Esta pequena historieta que aproveito de uma entrevista com um psicólogo que vi na internete esta manhã (esqueci de anotar o endereço eletrônico) é para fazer pensar sobre o que é – em um exemplo apenas – a educação de filhos. Conforme o psicólogo – e faço minhas as palavras dele! – os pais têm que se fazer respeitar para serem amados. Hoje, boa parte desta dupla de pessoas que se auto denominam “pais” querem ser amados, sem dispender o esforço de ensinar o que é respeito. Não dizem não. Atendem a todos os pedidos dos filhos. Não mostram e impõem limites. Não dão a palmada salvadora quando a acriança desobedece e põe a mão onde não devia, depois de avisada. E querem ter o respeito dos filhos. Não dá! Muitos pais não deixam seus filhos caírem no chão, quando estes dão seus primeiros passos, sob o falso e falaz argumento de que estão evitando acidentes e/ou um trauma. Bobagem! Firula! Covardia! A criança tem que cair para aprender a se levantar e aprender também que ela tem limites. A história da pamonha serviu para o psicólogo e agora serve pra mim na tentativa de sinalizar para a importância do convívio, da conversa, da troca de experiências, da exemplificação, da demonstração de como uma coisa é feita. A criança vai aprender que pamonha não “aparece” pronta do nada. Ela querer saber como e porquê. Ela vai “participar” interagindo e colaborando. Isso é aprendizagem. Não há tecnologia de inserção que consiga superar esta experiência…

download

Chatices

Faz muito tempo que não escrevo nada. Preguiça, saudade, opinião, indignação, material didático: os assuntos variam muito. Resolvi voltar hoje por conta de um texto que li no Facebook e de que gostei dadas as circunstância de mudanças propostas pelo governo interino que se instalou no Planalto. Especificamente, meu intuito é expressar minha concordância com o texto que vai abaixo. Não disse nada na minha página do Facebook, nem comentei o tal texto, por conta do fato de não querer mais ser incomodado, inclusive por amigos, quando repasso coisa. Jamais o fiz à luz de convicções políticas; coisa que, aliás, penso não ter… E não me envergonho disso. Lá vai…

th

“- Aiinnn! Não há negros e mulheres no ministério!
Olha, sinceramente: eu nem deveria comentar, mas vou.
Apenas donos de mentes tacanhas, baldias, ordinárias, pervertidas e PROFUNDAMENTE PRECONCEITUOSAS poderiam, em um momento como esse, olhar para um ensaio de novo governo com olhos de FISCAL DE MELANINA ou avaliando que tipo de balangandã as pessoas têm entre as pernas.
Apenas gente irrecuperavelmente viciada e DOENTE é capaz de acreditar que um pessoa negra não pode ser representada por uma pessoa branca – ou vice-versa; ou que uma mulher não pode ser representada por um homem – ou vice-versa.
Filhinhos (as), deixa o tio contar uma coisa pra vocês, com muito cuidado pra não abalar o mundo de fantasia, cheio de frágeis cristais, que vocês habitam:
nós estamos vivendo em um país ESCANGALHADO por quase catorze anos de política populista e irresponsável, a máquina pública está à beira do COLAPSO, há cidades inteiras FALIDAS, mais de ONZE MILHÕES de pessoas estão à procura de emprego (sem contar outros milhões que não entram nas estatísticas porque não têm e nem procuram ocupação) e UM MILHÃO E OITOCENTAS MIL empresas fecharam só em 2015;
não é POSSÍVEL que pessoas teoricamente “instruídas” sejam tão completamente dominadas pela ESTUPIDEZ IDEOLÓGICA a essas alturas do campeonato.
Essa porcaria desse ministério (no qual inclusive foi necessário alojar algumas criaturas desprezíveis remanescentes do governo que vocês tanto amavam) é o que tem para o momento, foi o que deu pra fazer, é com isso aí que a gente vai daqui pra frente e é dessas pessoas que a gente espera, no mínimo, uma chacoalhada que dê algum ÂNIMO ao país – pouco importando se o sujeito é branco, preto ou amarelo, se mija em pé ou sentado.
Nós sabemos que o petismo – provavelmente a vertente esquerdista mais JECA já surgida desde a Revolução Bolchevique – é uma infecção generalizada, um flagelo do qual possivelmente jamais nos livraremos por completo.
Mas, PELO AMOR DE DEUS:
pelo menos TENTEM sair desse infantilismo melindroso, uma vez na vida TENTEM raciocinar acima do padrão Catraca Livre, pelo menos TENTEM não passar vergonha.
Ou, se realmente não der: tentem ficar calados por algum tempo.
Vocês já deram no saco.”
(Fábio Pregucci)

thWL9IA1AJ