Tag: Eu gosto de alguns filmes

  • Proibir?

    Eles são três. Se você está esperando por uma história que defenda uma ideia e consiga demonstrar a sua exequibilidade, desista! Eles são três pessoas normais, quase anormais, de tão corriqueiras. O que eles falam soa, às vezes, falso, mas convence. A beleza da fotografia é permeada de sequências que são “achados”, como a parada […]

  • Brasília, 50 anos

    As fotografias, em preto e branco, de Belo Horizonte, Dourados, Rio de Janeiro e Campinas são um total delírio. As tomadas das obras de construção da “novacap” são de uma perfeição que arrisco-me a dizer que, se fosse possível voltar no tempo, Zelito Viana o teria conseguido com essas imagens. Não tenho a certeza de […]

  • Uma ilha

    Martin Scorsese, de novo, inqualificavelmente bom. Desta vez, com um suspense de fazer inveja a muita gente. Chega um momento em que se tem a nítida impressão de que a solução da trama está à vista. Ainda bem que este momento chega bem pra lá do meio da película. Assim sendo, não se perde nem […]

  • “Ser ou não ser”…

    O que é mais importante: saber latim ou conhecer a “cultura” que a vida, por vezes, pode apresentar de maneira informal? Entrar para uma universidade de renome, para fazer carreira – geralmente sonhada, planejada e “poupada” pelos pais (claro, no hemisfério norte) ou viajar pelo mundo, tocar violoncelo e conhecer a pintura e a literatura […]

  • Forrest Gump

    Revi Forrest Gump, pela enésima vez. Filme bobo? Sem graça? Ingênuo? Sem importância? Água com açúcar? Quem pode dizer? Essa mania de dizer que isso é assim ou assado, como eu já disse, é uma aparência. O filme é lindo. Quem não se emociona não está vivo, quem não sente a ingenuidade do protagonista como […]

  • Babel

    O título é sugestivo. Lembra uma passagem bíblica, da mesma forma que lembra um conto de Borges. No fundo, essas duas coisas são mais próximas do que parecem não ser! Um filme delicado, violento, deslumbrante, revelador. Pode ser que alguém não concorde com a mistura inesperada de tantos adjetivos. Mas não conseguiria dormir sem escrever […]