Tag: Literatura Comparada

  • O mistério da conferência denegada

    Entre setembro e outubro do corrente, recebi convite para fazer uma conferência durante m congresso na Paraíba. O promotor do evento é um grupo de pesquisas vinculado à UFPB, chamado GELIPSI – Grupo de pesquisa Gênero, Literatura e Psicanálise. Vaidoso que sou, fiquei honrado e aceitei, agradecido. Troquei algumas mensagens com um mestrando Matheus Pereira […]

  • Lacuna

    Certo “fenômeno” teve lugar durante o doutoramento. No seminário de Literatura Comparada, o último da ‘serie, a professora pediu que lêssemos A montanha mágica, do Thomas Mann. Um verdadeiro cartapácio. Ainda não tive oportunidade (e vontade!) de reler o romance. No entanto, ficou na memória o dito “fenômeno”. Ocorre que, entre os comentários feitos pela professora, […]

  • Como “se dar bem” com uma tese de doutoramento.

    Leia toda a obra de Walter Scott e tudo o que encontrar sobre ela. Leia os três romances indianistas – O guarani, Ubirajara e Iracema – do José de Alencar, e um que outro comentário, resenha ou artigo sobre eles. Afinal você vai escrever uma tese de Literatura Comparada. A sua proposta – você vai […]

  • Ecos do passado – final

    Depois de um período extenso – ainda que nem tanto – de ausência, volto para concluir a série que reúne textos que escrevi e sobre os quais não tenho informações mais detalhadas como origem, objetivo e localização. É isso, então, acabou! De um como e um porque sem saber (ao certo onde) As coisas se […]

  • Ecos do passado II

    Não me lembro a origem deste texto. Peno que foi preparação para uma monografia de final de semestre, durante o mestrado. Talvez para a disciplina “Teoria da narrativa”, sob a batuta de minha orientadora: Margarida de Aguiar Patriota. O texto foi escrito à cause do impacto do filme O nome da rosa, depois da leitura […]

  • Ecos do passado

    Faz algum tempo, publiquei aqui os textos que foram escritos como monografias para avaliação de disciplinas cursadas durante o mestrado que fiz na Unb. Desta feita, retomo o mesmo ímpeto de publicação, com a diferença de que vou trazer textos similares, mas apresentados durante o doutoramento. Sobre uma natureza das tesouras  Porque Narciso acha feio […]

  • Pedro Eiras e seus mestres

    Ensaio. Uma palavra simples. Pode “funcionar” como substantivo ou como verbo, dependendo da situação discursiva. No dicionário, suas acepções atestam a flexibilidade semântica que envolve o vocábulo: avaliação crítica sobre as propriedades, a qualidade ou a maneira de usar algo, teste, experimento. Na área da engenharia mecânica: maneira de testar as propriedades mecânicas de material, […]

  • Primórdios VII

    A Literatura Comparada e o estudo de temas Introdução Estudar literatura não pode ser considerada uma prática simplificada ou automatizada. As nuances sempre estarão marcan­do presença e determinando abordagens e interpretações, A orientação prevista pelo comparativismo eleva à enésima potência essa cadeia de complexidades interpretativo-analíticas. Toma-se muito mais fundamental a atenção aos detalhes, as nuances […]

  • Primórdios IV

    Tentativa de estabelecimento de categorias do Existencialismo na obra de Graciliano Ramos: Angústia Introdução             A grande motivação deste trabalho nasce da perspectiva, cada vez mais instigante, de tentar um discurso teórico-críti­co que consiga estabelecer de maneira definitiva, a relação intrínseca entre Literatura e Filosofia. Em que medida podemos afirmar que uma e outra se […]

  • De finais e de começos – conclusão

    Pois muito bem. Pode ser que a leitura dos trechos que aqui divulguei não tenha sido suficiente para entender a minha proposta de leitura. Dizendo melhor, talvez os trechos não tenham colaborado para esse fim, em lugar da leitura que pode ter sido proveitosa. Num ou outro caso, só me resta dizer que, para não […]