Delicadeza e prazer

Duas palavras que podem levar leitor desatento a equívoco. Desliza da atenção ou da indução inconsciente que podem ser outros instrumentos desta experiência reveladora que é o equívoco. Sobretudo quando provocado por terceiros. Parece não ser bem este o caso aqui. Não sei se o número ideal para um equívoco é dois. Pode ser três. […]

Para LET874-2

“Que ilha desconhecida, perguntou o rei disfarçando o riso, como se tivesse na sua frente um louco varrido, dos que têm a mania das navegações, a quem não seria bom contrariar logo de entrada, A ilha desconhecida, repetiu o homem, Disparate, já não há ilhas desconhecidas, Quem foi que te disse, rei, que já não […]

Para LET874

Abaixo, leem-se dois poemas que compõem o livro Mensagem, de Fernando Pessoa (ortônimo). São o primeiro e o último, respectivamente. Leia-os com atenção!! BRASÃO Os campos O dos castelos A Europa jaz, posta nos cotovelos: De Oriente a Ocidente jaz, fitando, E toldam-lhe românticos cabelos Olhos gregos, lembrando. O cotovelo esquerdo é recuado; O direito […]

Retorno

         Faz algum tempo, numa aula sobre Eça de Queirós (ou será Queiroz?) comecei a falar sobre uma leitura comparativa que eu tinha feito entre dois textos do autor português – A cidade e as serras e “Civilização” – a partir do fato de que primeiro poderia ser  lido como um desenvolvimento do segundo. Neste sentido, […]

Passado

Na minha proverbial e incorrigível vibe de preguiça (ai como eu abomino essa gíria…) resolvi colocar aqui um texto que escrevi nos anos 90 do século passado. Nossa! Parece uma coisa tão antiga… Nem verificar nos arquivos do blogue pra ver se já tinha sido postado eu verifiquei. Então aí vai, para aproveitar eu falei […]

Detalhe

Já escrevi sobre “José Matias”, um conto do Eça de Queiroz. Ou será Queirós? Vai saber. Já vi estas duas formas e imagino que deve haver mais uma ou duas perambulando por aí… Fato é que, salvo tropeço de memória, já escrevi sobre o conto. Uma história estranha. Um homem que se apaixona por uma […]

Cartas

Faz (já!) mais de um ano, conclui um segundo estágio de pós-doutoramento em Coimbra. Foram seis meses recheados de coisas/momentos inesperadas, revisitações, lembranças e experiências. Tudo muito instigante e absolutamente gratificante, com o devido pedido de perdão pela involuntária rima pobre… Seis meses inesquecíveis. Já de volta aos trópicos, fiquei sabendo do lançamento de mais […]