A razão que a própria razão desconhece…

Acabei de ler o texto que segue (http://www.contioutra.com/razonite-uma-enfermidade-grave-que-esta-se-espalhando-pelo-mundo/). Ri muito, mas comecei apensar. Comecei, continuei… Pelo sim, pelo não, coloco aqui. Assim, pra não deixar de ser sincero, livro-me da ansiedade de vencer a preguiça e ter de escrever do próprio punho, hoje especialmente, um texto para colocar aqui. Como penso que o texto vale […]

Chatice

Uma coisa é você dizer que gosta. Outra coisa é dizer que não gosta. Simples, não? Nem tanto. Não é o que parece. Não é bem assim. Vou eu dizer que gosto disso e não daquilo. Antes de mais, eu preciso explicitar “isso” e “aquilo”. Depois tenho de contextualizar “isso” e “aquilo”. Em seguida justifico porque […]

Desejo

Pode alguém escrever poesia em prosa? Dizem alguns críticos e outros teóricos e os demais que os seguem, cegamente – perdão, a fonética trai-se às vezes. Dizem que pode. Será que pode mesmo? Em podendo, será que qualquer assunto é passível de ser prosaicamente poetizado? Ou, por outra, poeticamente proseado? Se por prosa se considerar […]

Por fim…

Os dois parágrafos que seguem foram retirados de um texto de Freud intitulado “Recordar, repetir, elaborar”. Eu ainda insisto na tentativa de fazer meus alunos lerem este texto – sobretudo nas disciplinas Literatura Comparada e Seminário de narrativa – ao longo destes quase trinta anos de magistério superior. Em que pese o questionamento que se […]

Ordens

Há dois momentos, no texto dos evangelhos, que marcam uma posição radical de Jesus Cristo. No primeiro deles, episódio da adúltera, encontrado no oitavo capítulo do evangelho de São João, Jesus, faz um discurso para aqueles que tentavam “lapidar” a mulher acusada de adultério. Para além do penso intenso de cada palavra nesta alocução, o […]