Tag: Poesia

  • Brincadeira

    Maria do Rosário Pedreira é uma portuguesa, editora e poeta que escreveu um livro chamado O Canto do Vento nos Ciprestes. Sem querer, por acaso mesmo, encontrei um poema dela, que faz parte deste livro, declamado por um rapaz. Um vídeo disponibilizado por alguém e que me chegou assim, de repente. Procurei o dito vídeo no […]

  • Adaptação

    Traduzi o poema abaixo de uma língua estrangeira. Adaptei seu conteúdo, com menos explicitude, para não correr riscos. É preciso enxergar, para além de ver… “É proibido mostrar imagens. pendurar a bandeira do Brasil em qualquer fachada. utilizar fatos históricos em documentários. falar que ele defende a legalização do aborto. afirmar que ele é a […]

  • Poesia

    Vi ontem, por acaso, um vídeo com uma senhora declamando um poema. Era a própria poeta, Ana Luísa Amaral, portuguesa. Encantou-me a maneira como disse o próprio poema. Encantou-me o poema. A Literatura, uma vez mais, atenuando, em minh’alma as agruras do tédio, esse que não me abandona, jamais. Tomara que gostem! SONETO CIENTÍFICO A […]

  • Tédio

    Já faz tempo, eu sabia que o tédio habita aqui ao lado,  duas casas depois da minha, descendo a rua. Não é muito longe, seu cheiro enche quartos e sala  e banheiro e cozinha amainando o espírito de quem chega, nublando sonhos que se perdem no tempo. Deixando cada coisa em seu lugar devidamente envolta […]

  • A propósito de cravos

    Li o poema que segue por indicação de um amigo muito querido. Conhecia a autora de nome. Fiquei impressionado. No tsunami de preguiça e falta de vontade em que me encontro, pensei em compartilhar os versos, magníficos desta portuguesa de uns tantos costados. Fica, também, como homenagem à data de hoje, importantíssima para o povo […]

  • Primeira versão II

    Há poucos momentos olhei para o céu, de um dos lados da varanda de minha casa e vi nuvens, grandes, densas, volumosas. Levantei-me. Liguei o computador e deixei que as palavras viessem ao meu pensamento, escorrerem pelos dedos sobre o teclado, efeito da visão que me tocou. Não sei dizer como, nem porquê. Apenas, tocou. […]

  • Primeira versão

    Segue a primeira versão de um poema (comentários e palpites continuam a ser esperados). “Sem sentido” Uma tarde que passa como as demais que também passam repetindo a mesma ritmada canção muda, a que embala quimeras e decepções num paul inquieto de ilusões e temores de gente que vive a trabalhar sem tino, rumores daquilo […]

  • Intervalo

    Um intervalo. Mais um. Faz uns tantos dias que não escrevo, nem mesmo para repercutir algum texto alheio. Nada. Antes de viajar, li um livro do Augusto Abelaira, escritor português (ainda vou comentar algo sobre ele aqui): A cidade das flores, seu primeiro romance (1959). Se não me engano é este mesmo o nome dele. A […]

  • Uma carta

    O texto que segue é uma carta. Não fui quem a escreveu. Cortei os nomes citados para preservar a intimidade dos envolvidos. Cortei outros nomes e indícios identitários pelo mesmo motivo. Quis colocar esta carta aqui pelo sabor, a fineza da ironia, a suntuosidade da linguagem, o vigor do sarcasmo e a inteligência demonstrados pelo […]

  • Poucas palavras

    Um pensamento a me ocupar a mente quando estava do lado de lá… “De que valem as palavras não ditas a ecoar entre as pedras, testemunhas do tempo, repositório de silêncios, a ecoar os rastros de Cronos? O caminho que leva (agora) nada a a lugar nenhum, pleno de sentidos, como que chora a ignorância […]