Dois poemas

Saudade Vilegiatura luminatrix suavíssima, ela ficava sentada bem encurvada a fazer palavras cruzadas. E o tempo passou. Com sorriso franco, semblante marcado pela experiência acumulada, ela vingava todas as predições em contrário e seguia a fazer bolo, biscoito e carne, a contar casos, a chorar de saudade e jamais reclamar, a não ser na excruciante […]

Achados e perdidos

Entre uma e outra aula, às vezes, a gente deixa a cabeça voar pelos infinitos campos do pensamento e o espírito plana no planeta palavra. Os astros são poucos, mas os corpos celestes inúmeros, como elas, as palavras. Surpreendentes coisas/entes de utilidade múltipla, de malícia aliciante, cuja abrangência não tem limites, não e pode medir. […]

Margarida

O que é que, em nome de Deus, pode vir a significar a expressão “exigir que os governos tenham paredes de vidro”? Escutei esta assertiva numa entrevista de uma moça. Já não lembro do nome dela. Não me lembro ou meu inconsciente me impede de lembrar e de verbalizar o tal nome? Pode ser que […]

Tradução

O gaiato abre a boca cheia de dentes para, numa prosódia lenta, arrastada, quase solene – o solene requer conteúdo elevado, por isso, o “quase” – comentar que certo time de futebol passou décadas desconhecido por que era “amador” e só passou a ter destaque depois que se tornou “profissional”. Confesso minha absoluta ojeriza e […]