Por fim…

Os dois parágrafos que seguem foram retirados de um texto de Freud intitulado “Recordar, repetir, elaborar”. Eu ainda insisto na tentativa de fazer meus alunos lerem este texto – sobretudo nas disciplinas Literatura Comparada e Seminário de narrativa – ao longo destes quase trinta anos de magistério superior. Em que pese o questionamento que se […]

Poema azedo

Hoje foi domingo. Pediu cachimbo. O cachimbo era de ouro e bateu no touro. O touro era valente e bateu na gente. A gente, fraca, caiu no buraco. Buraco fundo. Acabou o mundo. Nostradamus estava certo? O verbo no passado e a pergunta sem resposta. Vi ser sempre assim. Sempre… desde quando? O sujeito abre […]

Para “Tópicos de crítica” II

A postagem de hoje tenta unir o útil ao agradável. Claro está que os dois textos de Freud – “Escritores criativos e devaneios”  e “Recordar, repetir, elaborar” são o pano de fundo, sobretudo o segundo. Acima de tudo o segundo! Do outro lado, está o romance de José Luiz Passos que vocês já leram, estão […]

Para “Tópicos de crítica” I

Boa tarde! Como combinado em nosso encontro de ontem à noite, abaixo vocês têm a primeira postagem referente às quatro aulas que a mim couberam na reditribuição dos encargos da Cilza, afastada para tratmento médico e pós-doc. Como eu disse, hoje a postagem se refere aos textos de Freud, indicados previamente para leitura, sobre os […]

Cópia

Na onda de preguiça, cinismo (filosófico), ceticismo e mais umas quantas “qualidades” em que ando metido, resolvi reproduzir literalmente (Selecionar, copiar, colar) o texto que recebi de uma prima. Humor sofisticado, do tipo que não se encontra na televisão, nem em stand up‘s… Divirtam-se! Psicanálise  Luis Fernando Verissimo na Terapia … O melhor da Terapia […]

Passado

Numa de mexer em “papéis” velhos, encontrei esta comunicação apresentada em Viçosa em 2007. Nasceu de um artigo publicado em Santa Maria-RS, logo depois de lá ter chegado. Tenho a impressão de que publiquei uma terceira versão do mesmo texto, mas já me lembro onde… O evangelho segundo Jesus Cristo: notas acerca de um (certo) […]

Entre os dois, meu coração balança

Dois verbos que, a princípio parecem antagônicos e excludentes: lembrar e esquecer. Mas só parecem. Na verdade, um não existe sem o outro, quando usados para expressar o que quer que seja, em uma oração, para expressar qualquer coisa. De fato, um não existe sem o outro. É só parar e pensar um pouquinho. O […]